Pedro Marques: “Rui Rio tem estado numa lógica de oportunismos sucessivos”

Governo e PSD assinaram um acordo para os fundos comunitários. Foi selado com um aperto de mão entre Costa e Rio, mas desde então o líder do PSD tem atacado o Executivo. Pedro Marques critica.

O Governo e o PSD aproximaram-se com o acordo sobre a posição portuguesa na negociação do quadro plurianual de fundos estruturais para a próxima década. O aperto de mão entre António Costa e Rui Rio aconteceu há cerca de um mês, deixando antever uma aproximação entre os dois partidos, mas desde então o líder do principal partido da oposição tem feito vários ataques ao Governo, o último dos quais sobre a impreparação para a época de incêndios que mereceu uma resposta dura de Pedro Marques. O ministro do Planeamento critica o “oportunismo político”. “Rui Rio, depois dos acordos políticos que fez com o Governo há cerca de um mês, tem estado numa lógica de oportunismos sucessivos e de imediatismos sucessivos na sua atuação política”, diz, em entrevista ao ECO24.

Numa altura em que o verão se aproxima, a falta de meios para o combate aos incêndios tem marcado a agenda. Há receios de que as tragédias do ano passado possam repetir-se por falta de preparação do Executivo. Pedro Marques, ministro do Planeamento, diz que “tal como nós [no Ministério do Planeamento e Infraestruturas] trabalhámos na reconstrução das casas, todos os meus colegas de Governo estão a trabalhar para preparar esta época de incêndios”, diz em entrevista ao ECO24.

Pedro Marques afasta a ideia de “impreparação” do Governo, apesar das críticas que têm sido feitas, entre elas as do presidente do PSD. Rui Rio fala numa “trapalhada” que mostra a incapacidade do Governo para planear a época de incêndios, um ataque que não ficou sem resposta por parte do ministro do Executivo de Costa. “Rui Rio, depois dos acordos políticos que fez com o Governo há cerca de um mês, tem estado numa lógica de oportunismos sucessivos e de imediatismos sucessivos na sua atuação política”, diz.

“É falar de baixas de impostos, de aumentos da Função Pública, de mais dinheiro para os agricultores afetados quando o Governo já pagou 62 milhões de euros de apoios extraordinários aos agricultores afetados. Isto parece-me apenas imediatismo na gestão política“, diz Pedro Marques em entrevista ao programa que resulta de uma parceria entre o ECO e a TVI24.

Quem se afastou da orientação estratégica de definir uma abordagem estrutural e começou a tratar da espuma dos dias foi o líder do PSD. O que nós estamos a fazer é pensado, é estruturado e está a ir para o terreno”, defende Pedro Marques, salientando não só o trabalho que está a ser feito agora como o que fez na resposta aos incêndios do ano passado.

“Tivemos um incêndio que afetou mais de um milhar de casas, espalhadas por todo o território, com necessidade de confirmar a titularidade das casa de primeira habitação, lançar empreitadas de obras públicas para reconstruir tudo”, notou, salientando que “estão mais de 800 casas em obra ou concluídas”. “Isto é muito significativo”, rematou. “Já entregámos as primeiras casas às famílias afetadas. E temos casas em reconstrução, centenas de casas. “A nossa expectativa é que a totalidade das casas estarão concluídas até ao final do ano“, concluiu.

Da “espuma dos dias” aos “banhos de ética”

Depois de já ter afirmado que o líder do PSD passou a “tratar da espuma dos dias”, Pedro Marques voltou a criticar Rui Rio quando questionado sobre a sucessão de notícias relativamente ao Governo de José Sócrates, do qual fez parte. O ministro do Planeamento e das Infraestruturas do Executivo de António Costa, reagindo às palavras de Rio sobre Sócrates e também Manuel Pinho, afirmou que se tratou de “mais uma dessas tentativas dos chamados banhos de ética do PSD”.

Sobre os processos que envolvem o antigo primeiro-ministro e o ex-ministro da Economia, Pedro Marques recusou fazer comentários. “Não comento processos judiciais”, disse, acrescentando que espera “que toda a verdade seja apurada a benefício da nossa democracia. E que seja apurada pela Justiça”.Enquanto membro de um Governo, como ministro, e como há separação clara de poderes, espero que a Justiça apure tudo”, rematou o governante.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Marques: “Rui Rio tem estado numa lógica de oportunismos sucessivos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião