Tomás Vaz Pinto: “É expectável que os investidores estrangeiros procurem oportunidades em Portugal”

O sócio da Morais Leitão, Tomás Vaz Pinto, acredita que o ano de 2021 poderão surgir boas oportunidades de compras. O advogado reforça que existem oportunidades em Portugal para operações de M&A.

O sócio da Morais Leitão, Tomás Vaz Pinto, perspetiva que num cenário de taxas de juro muito baixas e de muita liquidez nos mercados internacionais é “expectável que os investidores estrangeiros procurem oportunidades em Portugal”.

O advogado, em conversa com a Advocatus, assegurou que a economia portuguesa continua muito dependente do investimento estrangeiro, sendo esta uma prioridade para ultrapassar a crise. Tomás Vaz Pinto mostrou-se ainda confiante que, em 2021, poderão surgir boas oportunidades de compras.

Que setores, tendo em conta o contexto atual, podem ter mais movimento em 2021?

Na área de M&A diria que os setores da energia, infra estruturas e alimentação, que resistiram muito bem em 2020, continuarão fortes em 2021. Em consequência da crise vivida em algumas áreas relevantes, nomeadamente turismo, poderão também surgir boas oportunidades de compras.

Tomás Vaz Pinto, sócio coordenador do departamento de corporate da Morais Leitão

Que tipo de operações podem vir a acontecer?

É difícil antecipar operações concretas até porque existe alguma incerteza quanto ao desenrolar da crise e à forma como os fundos comunitários vão ser distribuídos. Mas existem oportunidades em Portugal para operações de M&A, sobretudo através de compras de sociedades portuguesas por parte de investidores estrangeiros.

Portugal continua a ser apetecível para os investidores?

Portugal continua a ser apetecível para investidores estrangeiros. Aliás, 2020 foi um ano típico de forte investimento estrangeiro já num cenário de crise nacional, e mesmo global, pelo que nada indicia que 2021 seja diferente para pior.

Num cenário de taxas de juro muito baixas e de muita liquidez nos mercados internacionais é expectável que os investidores estrangeiros procurem oportunidades em Portugal enquanto que Portugal se mantiver um país seguro e credível e que aposta no investimento estrangeiro. Aliás, a economia portuguesa continua muito dependente do investimento estrangeiro pelo que a atração de investimento estrangeiro deverá ser uma prioridade se queremos ultrapassar mais esta crise.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tomás Vaz Pinto: “É expectável que os investidores estrangeiros procurem oportunidades em Portugal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião