Alguém que lhes diga. Empregadores, “a deficiência não é um bicho de sete cabeças”

A única coisa que deve influenciar os empregadores, durante um processo de recrutamento, são as competências e skills dos candidatos. Ter paralisia cerebral não consta do currículo.

Abílio Saraiva da Cunha e R. Coimbras vivem com paralisia cerebral desde sempre. Mas este não é o único ponto que têm em comum. É, aliás, talvez o menos relevante quando comparado com os seus currículos. No mundo profissional, ambos assumem cargos de chefia, lideram equipas e já têm uma carreira construída, como outros profissionais sem qualquer deficiência.

Claro que para Abílio da Cunha e R. Coimbras, tal como para os cerca de 17 milhões de pessoas no mundo diagnosticados com paralisia cerebral, todos os dias são um desafio, com vários obstáculos pelo caminho, ainda que não seja apenas pelo preconceito criado à volta desta e de qualquer que seja a deficiência em questão.

Mas, “a deficiência não é um bicho de sete cabeças, como as pessoas pensam”, afirma Susana Valongo, secretária da Federação das Associações Portuguesas de Paralisia Cerebral (FAPPC). O nome pode enganar e, muitas vezes, deixar os recrutadores das empresas reticentes, contudo a paralisia cerebral não é um problema mental.

Olhem para uma pessoa com paralisia cerebral tal como se olha para uma pessoa sem paralisia cerebral”, diz Ana Lucas, professora universitária de um aluno com paralisia cerebral e que, mais tarde, veio a ser, também, colega de trabalho. Nos tempos universitários, desde cedo que a professora percebeu que estava perante um aluno “brilhante”, que não podia deixar escapar.

R. Coimbras, vice-presidente da FAPPC, admite que, no mercado de trabalho, o seu maior handicap é, de facto, a comunicação. Ainda assim, nada que não se resolva. E resolveu mesmo, graças ao empenho e esforço nas aulas de terapia da fala e em todas as etapas do plano traçado com vista a melhorar estes skills. Hoje, R. Coimbras dá inclusivamente palestras. Claro que há algumas adaptações que podem ser feitas e que o ajudam, como, por exemplo, usar um microfone de lapela em vez de um microfone de mão.

“Um dia reencontrei um pediatra que tive na infância e ele disse-me: ‘Tu tens dificuldade a falar, não tens dificuldades em comunicar’. São coisas muito diferentes”, recorda. E graças a isso, juntamente com os seus conhecimentos, o mercado de trabalho nunca foi uma barreira.

Mas o caso de R. Coimbras não é, no entanto, um cenário comum entre as milhões de pessoas com paralisia cerebral. Nem todos os empregadores são como os de R. Coimbras, nem todas as professoras como Ana Lucas ou nem todos os colegas como Paulo Pereira, que se propôs a ajudar um colega — que viu ter algumas dificuldades ao nível da fala –, de modo a melhorar o seu desempenho global na empresa.

Também Jorge Carvalho, diretor do departamento de desporto no Instituto Português de Desporto e Juventude (IPDJ), confessa que, muitas vezes, a perceção das pessoas muda à medida que conhecem e lidam mais de perto com alguém com paralisia cerebral, porque é nesse momento que conhecem realmente esta deficiência.

Ainda há muito trabalho a fazer em termos de divulgação pública. Estamos a falar de uma doença muito pouco divulgada. Eu próprio não fazia a mínima ideia de quais eram as causas ou as limitações, por exemplo”, diz Paulo Pereira, atual diretor de sistemas de informação da Gulbenkian, que teve o primeiro contacto com a paralisia cerebral em contexto profissional.

“No início, havia um certo preconceito porque estávamos perante uma pessoa diferente, sobretudo no meio profissional”. Contudo, com o passar do tempo e com a convivência, “a minha perceção sobre esta deficiência, tal como a dos meus colegas, mudou. Até porque percebi logo que estava perante um técnico de excelência”, conta.

Se é possível que uma pessoa com paralisia cerebral percorra Amesterdão de bicicleta, também é possível que chefie uma equipa ou que decida quem quer recrutar para uma empresa. Susana Valongo, agora secretária da FAPPC, foi, precisamente, entrevistada por duas pessoas com paralisia cerebral. Certo é que a entrevista correu bem, não tivesse sido quase imediatamente contratada.

Abílio Saraiva da Cunha, presidente da FAPPC, considera que é necessário sensibilizar as pessoas, sobretudo as que não têm qualquer deficiência. O grande desafio deste projeto da FAPPC passa por capacitar as crianças e jovens com paralisia cerebral para que, no futuro, sejam mais autónomos e sigam a carreira profissional que escolherem.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alguém que lhes diga. Empregadores, “a deficiência não é um bicho de sete cabeças”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião