Ativistas, escuteiros e voluntários. O lado B dos gestores de pessoaspremium

É nos projetos e atividades mais pessoais que sentem que têm impacto na sociedade e que, muitas vezes, alimentam a faísca que os faz sentirem-se realizados.

Nem tudo na vida é trabalho e, muito menos, trabalho dentro de uma empresa. Há projetos pessoais a que muitos gestores de pessoas e líderes de empresas dedicam tempo e energia, fazendo-os sentir ter uma missão de vida. Do escutismo à luta pelos direitos da mulher na gravidez, do voluntariado ao uso da educação como arma no combate à pobreza, não faltam exemplos de projetos fora do horário das 9h às 17h, que representam um ciclo de energia (e talento) que se auto-alimenta. Ativistas a tempo inteiro Profissionalmente gere a diversidade, igualdade e inclusão das mais de 12 mil pessoas da Teleperformance Portugal, um verdadeiro multilingual hub,com quase 100 nacionalidades e 20 línguas. A nível pessoal, Ana Sanchez também luta pela igualdade e pelos direitos das mulheres, nomeadamente por um

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos