Depois do teletrabalho e dos modelos híbridos… e agora 2022?premium

Após a revolução no mundo do trabalho imposta pela pandemia, o que nos reserva o ano que agora arranca? Os líderes de pessoas e empresas traçam os desafios que vão marcar 2022.

Depois de quase dois anos de viver e trabalhar em pandemia, em 2022 o foco do mundo do trabalho centra-se no essencial: as pessoas. Serão elas o motor dos planos de crescimento das empresas e é a sua indisponibilidade que está a gerar preocupação em muitos setores. Não faltam ambições ao nível da contratação: 84% dos empregadores nacionais tencionam reforçar o seu quadro de pessoal neste ano, indica o “Guia do Mercado Laboral”, da Hays, o valor mais elevado desde que o Guia é realizado.Cativar sangue novo é que não se afigura fácil, com apenas 74% dos colaboradores dispostos a mudar de emprego. Embora acima dos valores de 2017 e 2019, anos pré-pandemia em que a vontade de mudar de emprego atingiu mínimos históricos, espelha um arrefecimento em cinco pontos percentuais na disponibilidade

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos