Estas são as dez profissões mais bem pagas em 2022. Quatro ultrapassam os 100.000€, oito são no mundo techpremium

Um diretor-geral na área de saúde recebe até 150.000 euros anuais. O mesmo pode receber um diretor comercial. O pódio fica completo com o CIO, com um salário máximo de 140.000 euros.

O atual contexto de pandemia tornou ainda mais evidente e urgente a necessidade de contratar líderes altamente qualificados no setor da saúde. Talvez por isso, e à semelhança do que já aconteceu no ano passado, os diretores-gerais na área da saúde são os profissionais mais bem pagos em Portugal, com salários anuais que começam nos 120.000 euros e podem facilmente alcançar os 150.000 euros. Seguem-se o diretor comercial -- que passa a figurar a lista e marca presença no pódio -- e o chief information officer (CIO), o único do Top 3 a ver reforçada a sua remuneração em 2022. O setor tecnológico lidera o ranking dos mais bem pagos, revela o levantamento das dez profissões mais bem pagas do país, fornecido pelo ManpowerGroup à Pessoas.

"Estes profissionais [diretores-gerais na área da saúde] caracterizam-se por capacidades pessoais e profissionais de grande relevância, nomeadamente de liderança e coordenação de equipas, aliadas a um vasto conhecimento e experiência na área da saúde, que deverão ser constantemente atualizados. Em período pandémico será também de mencionar a resiliência e capacidade de decisão como características ainda mais necessárias", considera Rui Teixeira, diretor-geral de operações do ManpowerGroup, à Pessoas.

Já no ano passado, no mesmo levantamento elaborado pelo ManpowerGroup, o diretor-geral na área da saúde ocupou o pódio das profissões mais bem pagas no país, com os mesmos valores remuneratórios, entre 120.000 e 150.000 euros, o que significa um vencimento mensal bruto entre os 8.571 e os 10.714 euros.

Imediatamente a seguir, e com expectativas salariais que podem alcançar o rendimento de um diretor-geral na área da saúde, o diretor comercial ganha terreno. Depois de no ano passado nem sequer surgir no ranking, esta profissão salta diretamente para segundo lugar do pódio. Com um salário bruto anual entre os 100.000 euros e os 150.000 euros (entre os 7.142 e os 10.714 euros mensais), estes profissionais veem a sua relevância "acrescida em períodos de recuperação económica, face ao impacto que tem na concretização de novas oportunidades".

"Este profissional não só define, implementa e lidera a estratégia comercial da empresa como também coordena as equipas destinadas à mesma área. Algumas características distintivas deste profissional são o perfil de liderança e a visão estratégica bem delineados, que aliados a um elevado poder de decisão e fortes soft skills no campo da comunicação e gestão de pessoas tornam-nos um ativo valioso para as empresas, que investem hoje em salários cada vez mais competitivos", detalha Rui Teixeira.

A partir daqui todas as profissões destacadas são na área das tecnologias de informação. O Top 3 fica completo com o CIO, cujo salário bruto anual começa nos 110.000 euros e pode chegar aos 140.000 euros (entre 7.857 a 10.000 euros por mês). Apesar de ter passado da segunda para a terceira posição, este profissional foi um dos poucos deste ranking que viu a sua remuneração anual "engordar" de 2021 para 2022, em cerca de 20.000 euros.

"A transformação digital é uma realidade a afirmar-se na maioria das empresas, tendo sido reforçada com a pandemia e com os novos modelos de consumo e de trabalho. É nesta ótica que se enquadra a importância crescente do cargo de chief information officer. Este profissional é o executivo da empresa responsável pelas iniciativas e estratégia no domínio das tecnologias de informação, supervisionando os sistemas informáticos necessários para suportar os objetivos da organização", explica.

Faz, portanto, a ponte entre a direção da empresa e a equipa de colaboradores da área da informática, pelo que, além de formação em tecnologia da informação, o CIO necessita também de ter conhecimentos nas áreas de estratégia, liderança e gestão. "A crescente procura deste tipo de profissionais, associada à escassez de perfis com este nível de especialização, tem levado a um aumento dos salários, que deverá continuar em 2022", antecipa o diretor-geral de operações do ManpowerGroup.

Veja aqui a lista completa das dez profissões mais bem pagas em 2022:

Já fora do pódio, mas também com um salário anual que ronda uma centena de milhares de euros, o quarto lugar deste ranking é do diretor de centro de serviços partilhados, que conta com um vencimento entre os 95.000 euros e os 120.000 euros brutos, superior em cerca de 10 mil euros quando comparado com o valor apurado pelo ManpowerGroup no ano passado. Juntamente com o CIO, foi a única profissão desta lista que viu o seu salário anual crescer em 2022, comparativamente aos valores apurados no ano passado.

"Portugal tem vindo a confirmar-se como um destino de eleição para a implementação de centros de serviços partilhados, por parte de empresas e grupos económicos multinacionais. O diretor de centro de serviços partilhados, à cabeça destas organizações é o responsável por assegurar a correta implementação e execução das funções de suporte e de serviço que são prestadas às diferentes estruturas desses grupos", esclarece Rui Teixeira. A gestão deste tipo de organizações exige um "profissional experiente, com um claro foco na disciplina operacional, na melhoria operacional e eficiência e na experiência do cliente", reforça.

Este [o diretor de centro de serviços partilhados] é um perfil exigente e com um nível de experiência ainda pouco disponível no mercado de trabalho, tornando assim estes profissionais fortemente solicitados e bem remunerados.

Rui Teixeira

Diretor-geral de operações do ManpowerGroup

"Este é um perfil exigente e com um nível de experiência ainda pouco disponível no mercado de trabalho, tornando assim estes profissionais fortemente solicitados e bem remunerados", acrescenta.

Começam nos 35.000 euros e vão até aos 75.000 euros anuais

Um pouco mais abaixo no ranking está o e-commerce manager, com um salário que ronda os 50.000 euros e os 75.000 euros brutos anuais, mantendo os valores apurados no levantamento do ano passado. "A pandemia alterou os nossos hábitos de consumo e forçou as organizações a adaptarem-se a novos modelos de negócio, canais de comunicação e de distribuição. Temos vindo a observar um forte crescimento do comércio eletrónico e, consequentemente, das necessidades de talento para as funções que lhe estão associadas", comenta Rui Teixeira.

O perfil deste profissional é caracterizado por capacidades analíticas, compreensão da gestão de produtos em comércio eletrónico, conhecimentos de analítica web e otimização de tráfego, gestão de projetos e definição de roadmaps de evolução, segurança, entre outros. Um conjunto de competências específicas que, com o impulso do comércio eletrónico, aumentou de forma exponencial, de acordo com o ManpowerGroup.

O sexto lugar vai -- mais uma vez na área tech -- para o cibersecurity specialist, que é esperado que ganhe em 2022 entre 45.000 e 60.000 euros, bem como que lide e resolva as questões relacionadas com as ameaças digitais, nomeadamente ataques cibernéticos.

"Desde o início da pandemia, e em especial com a transição para o trabalho remoto, este tipo de incidentes aumentou em 23% no primeiro semestre deste ano, quando comparado ao mesmo período de 2020, e subiu 124% face a 2019, realidade que se prevê continuar em crescimento em 2022. Os especialistas nesta área ganharam assim relevância e estão também entre os profissionais mais procurados dentro do setor tecnológico", justifica. À semelhança de muitos outros cargos neste setor, a oferta continua inferior à procura, o que acaba também por potenciar o aumento dos salários oferecidos, de forma a atrair estes profissionais, refere o responsável da recrutadora.

Na era dos dados, em que muitas organizações já os consideram o petróleo da era digital, os profissionais que sabem tratá-los, analisá-los e comunicá-los estão em clara em vantagem. O cargo de big data specialist, com um vencimento anual entre os 35.000 e os 50.000 euros brutos anuais, é atualmente uma das funções mais bem pagas. Mas também das mais procuradas e especializadas.

"Estes profissionais são responsáveis pela análise de dados avançada que envolve modelos preditivos, algoritmos estatísticos e análises de alto desempenho. O output gerado por estes profissionais permite às organizações tomar decisões mais informadas que contribuem para uma melhor definição de estratégia de negócio. A estes profissionais é comum a experiência em ferramentas analíticas e de reporting, assim como a experiência de trabalho com bases de dados", detalha Rui Teixeira, salientando que a formação que precede esta atividade é bastante especializada, o que contribui para a escassez destes profissionais no mercado e ajuda na compreensão dos salários praticados.

O software engineer -- profissional com conhecimentos profundos em linguagens de programação, desenvolvimento de software e sistemas operativos que aplica os princípios de engenharia à criação de software --, com um salário bruto anual a rondar os 45.000 euros, ocupa o oitavo lugar desta lista.

"Mais uma vez, a transição tecnológica ganha destaque na posição assumida por esta área de trabalho, ao potenciar a procura por estes profissionais que são ainda escassos quando se comparam com a procura por parte das organizações."

Segue-se o digital marketeer, que recebe entre 35.000 e os 45.000 euros brutos por ano. "Em consequência da pandemia, os canais de comunicação evoluíram e o digital tomou lugar dianteiro como forma de alcançar os públicos de forma acessível e eficaz. Assim, também os profissionais associados a estas áreas, dentro da comunicação e do marketing, são hoje mais procurados", detalha, acrescentando que estes profissionais devem possuir skills como capacidade de inovação, análise de dados e do comportamento de clientes, e seguimento de últimas tendências e tecnologias, a fim de desenvolver estratégias de marketing eficazes.

"Devem ainda garantir uma constante atualização de conhecimento e formação em novas ferramentas, metodologias e canais, o que os torna altamente qualificados, bem como superiormente remunerados", acrescenta.

Finalmente, a fechar o ranking das dez profissões mais bem em 2022, está o machine learning specialist, com um vencimento anual que ronda os 40.000 euros brutos. Estes profissionais, antecipa o diretor-geral de operações do ManpowerGroup, vão manter a forte procura este ano. "Devido ao elevador grau de especialização, aos anos de formação e experiência necessários, e ainda ao facto de esta ainda ser uma função relativamente recente, são escassos os perfis de machine learning specialist, e encontram-se hoje entre os grupos mais bem remunerados profissionalmente."

Trata-se de um especialista em software com uma forte formação em matemática, programação e data science, que aplica na conceção e desenvolvimento de sistemas de machine learning e de deep learning, na realização de testes e na correta implementação de algoritmos de machine learning.

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos