Quem são os gestores norte-americanos mais bem pagos?

  • Carolina Bento
  • 21 Agosto 2021

A pandemia não afetou os salários dos gestores da mesma forma que a crise económica influenciou os dos demais. Da Tesla à Apple, estes executivos destacam-se com as maiores remunerações em 2020.

Ainda que 2020 tenha sido o ano do início da pandemia e, consequentemente, de uma crise económica internacional, o “sonho americano” continuou vivo. Quem o alimenta são os 10 gestores norte-americanos – cinco homens e cinco mulheres – mais bem pagos no ano passado.

O índice de riqueza da Bloomberg mostra quem são os executivos com as remunerações mais elevadas no ano passado, entre salários, bónus discricionários e de desempenho, pensões, ações, subsídios recebidos e compensação diferida.

Os 10 primeiros nomes que surgem na lista são todos homens e recebem, em média, 144 vezes mais do que um funcionário regular. Mas, afinal, quem são os cinco homens e as cinco mulheres com as maiores remunerações de 2020?

Lista continua liderada por homens

Tal como a Bloomberg frisa, o ranking de CEO mais bem pagos do mundo continua a ser maioritariamente dominada por homens caucasianos. Entre a tecnologia, imobiliário e saúde, estes são os cinco CEO que mais receberam em 2020.

Elon Musk

No topo da lista surge Elon Musk, considerado o homem mais rico do mundo. O dono da Tesla e da SpaceX foi o CEO norte-americano mais bem pago do mundo em 2020, tendo arrecadado 6 mil milhões de dólares só no ano passado, segundo o ranking da Bloomberg. Musk permanece o CEO mais bem pago há três anos consecutivos.

Elon Musk, TeslaDavid Paul Morris/Bloomberg

Nascido na África do Sul, em 1971, conseguiu mais tarde a nacionalidade canadiana e norte-americana, esta última desde 2002. Depois de ter sofrido bullying na escola e de ter fugido da África do Sul para evitar servir no exército do apartheid, Musk mudou-se para o Canadá. No país, começou os estudos superiores na Universidade de Queens, em Ontário. Acabou por se mudar para os Estados Unidos, onde se formou na Universidade de Pensilvânia, em Economia, Física e Artes.

Na Tesla Motors, Musk destacou-se com a produção de um carro elétrico, tendo as suas preocupações com o uso de energias renováveis se refletido na compra da SolarCity. A empresa, criada em 2006, produz baterias recarregáveis movidas a energia solar.

A SpaceX, empresa que fundou em 2002, foi responsável pelo primeiro lançamento de um foguetão privado para o espaço, o Falcon 1 em 2008. Por agora, o objetivo de Musk é enviar astronautas a Marte, em parceria com a NASA, até 2025. O CEO é também um dos “pais” da PayPal, da The Boring Company, Neuralink e da OpenAI.

Mike Pykosz

Mike Pykosz é o segundo CEO que mais dinheiro levou para casa em 2020, nos Estados Unidos, com 568 milhões de dólares. Estudou na Universidade de Notre Dame e, mais tarde, na Universidade de Harvard. Foi diretor no Boston Consulting Group durante cinco anos. Há oito anos, fundou a Oak Street Health, uma rede de centros de cuidados primários direcionados. Os centros são específicos para cuidados médicos de idosos e os serviços estão disponíveis exclusivamente para clientes da Medicare. Abriu a primeira clínica em Chicago e, hoje, existem 100 espalhadas pelos vários estados do país.

Trevor Bezdek e Douglas Hirsch

Ambos CEO’s da mesma empresa, Trevor Bezdek e Douglas Hirsch ocupam o terceiro e quarto lugar no ranking, respetivamente, e cada um acumulou cerca de 497 milhões de dólares, em 2020. Estão à frente da GoodRx Holdings, uma empresa que disponibiliza uma plataforma de medicina à distância, juntamente com um website e uma app que ajuda os clientes a verificar os preços de medicamentos que lhes são prescritos e lhes dá descontos na compra dos fármacos. A GoodRx funciona desde 2011 e foi criada na Califórnia, tendo crescido em receitas, clientes e parcerias.

Eric Wu

Em quinto lugar no ranking surge Eric Wu, CEO da Opendoor Technologies, que recebeu 388 milhões de dólares no ano passado. Em 2014, foi um dos fundadores da empresa imobiliária, que permite comprar e vender uma casa online. Antes disso, Wu já tinha fundado a Movity.com, na qual também foi CEO. Estudou na Universidade de Arizona, onde se formou em Economia e Ciências.

Estas são as cinco mulheres CEO mais ricas

É preciso descer até ao 34.º lugar na lista para encontrar a primeira mulher nesta ranking. As cinco gestoras que mais dinheiro levaram para casa, no fim do ano passado, destacam-se na ciência, telecomunicações e também na área tecnológica.

Carrie Wheeler

Carrie Wheeler recebeu mais de 100 milhões de dólares em 2020, tornando-se na executiva mais bem paga na lista. É CFO (Chief Financial Officer) da Opendoor Tecnhologies. Estudou na Universidade de Queens, no Canadá, onde se formou em Comércio. Trabalha na empresa de Wu há dois anos, mas já tem uma vasta experiência em empresas como a rede de lojas Dollar Tree, o grupo Api e a empresa têxtil J.Crew, onde esteve durante sete anos.

Véronique Lecault

Lecault é a 40º que recebeu mais em 2020 no ranking, mas apenas a segunda mulher a surgir na lista. Estudou na Universidade de Ottawa e em British Columbia, onde se tornou cientista e engenheira. Depois de se ter dedicado à investigação, foi uma das fundadoras da AbCellera Biologics, onde hoje é COO (Chief Operating Officer). A empresa investiga o sistema imunitário dos pacientes, para fazer medicamentos e tratamentos clínicos a partir de anticorpos.

Safra Catz

epa05675574 Safra Catz, CEO of Oracle, arrives at Trump Tower in New York, New York, USA, 14 December 2016. EPA/Albin Lohr-Jones / POOLEPA/Albin Lohr-Jones

A terceira mulher com salário mais elevado é a CEO da Oracle, Safra Catz. Com 69 milhões de dólares, é a 48ª pessoa a surgir no ranking de CEO’s e executivos mais ricos em 2020. Tem dupla nacionalidade, sendo israelita por nascimento. Aos seis anos, mudou-se com a família para os Estados Unidos e acabou os estudos em 1986, na Universidade de Pensilvânia. Catz começou a trabalhar na Oracle em 1999 até se tornar CEO, ao mesmo tempo que é diretora da Walt Disney Company. A Oracle é uma empresa norte-americana multinacional, na área da tecnologia e informática, que desenvolve e vende hardware e software.

Sendo republicana, apoiou a campanha de Donald Trump e, em 2016, foi apontada como uma das potenciais novas funcionárias da administração do antigo presidente. Em 2020, doou cerca de 125.000 dólares para financiar a campanha de reeleição.

Deirdre O’Brien e Kate Adams

O’Brien e Adams trabalham na Apple, tendo recebido ambas 45 milhões de dólares em 2020. Deidre trabalha há 30 anos na Apple e tomou o controlo dos recursos humanos da empresa, desde o recrutamento de talento até à gestão das centenas de trabalhadores. Em 2019, após a saída de Angela Ahrendts, O’Brien ficou com o cargo de vice-presidente sénior de retalho, o que significa a coordenação de 500 lojas, espalhadas um pouco por todo o mundo, nas quais trabalham milhares de pessoas.

Kate Adams está na Apple desde 2017, depois de ter saído da empresa Honeywell. Sendo vice-presidente de segurança legal e global, Adams gere todos os assuntos relacionados com privacidade, processos de litigação, segurança global, propriedade intelectual, entre outros aspetos. Antes de passar para direito organizacional, trabalhou no Supremo Tribunal de Justiça e no Departamento de Justiça do Governo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Quem são os gestores norte-americanos mais bem pagos?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião