“Está-se a cair no exagero no sentido inverso”. Há “excesso de regulação sobre os bancos”, diz a presidente do Carregosa

Se, em 2008, "os reguladores não estavam preparados para pressentir ou prever a crise", hoje, caem no exagero para evitar uma nova crise. Quem o defende é Maria Cândida Rocha e Silva, do Carregosa.

Onde estava quando o Lehman Brothers faliu? A meio de um “caminho em contraciclo” com o que era percorrido pelo banco norte-americano que acabou por colapsar, Maria Cândida Rocha e Silva vivia dias de “entusiasmo” quando a maior falência da história deu entrada na justiça norte-americana. A fundadora e presidente do conselho de administração do Banco Carregosa acabara de receber, dois meses antes, a licença bancária que autorizou a passagem da antiga casa de câmbios L. J. Carregosa a banco, mas o momento não deixava de ser pesado. “No sistema financeiro, que se julgava até então inabalável, os comportamentos mudaram e toda a gente passou a olhar o mundo com outros olhos”. A lição, considera, poderá ter sido não só aprendida, como assimilada em demasia. Hoje, acredita que há um “excesso de regulação”.

A dez anos de distância, a banqueira resume as aprendizagens de uma década numa lição: “Não há gigantes que não tenham ou não possam ter pés de barro, com impacto na segurança do sistema financeiro, que importa defender”.

Era esse ensinamento que, então, parece ter faltado a todos. “Os reguladores não estavam preparados para pressentir ou prever a crise, deixando escapar a atuação de um banco de investimentos — que não era bem isso — que se tinha dedicado a outras áreas onde não atuava com a maior das lisuras, ou transparência, como agora gostamos de dizer”.

Os reguladores não estavam preparados para pressentir ou prever a crise, deixando escapar a atuação de um banco de investimentos — que não era bem isso — que se tinha dedicado a outras áreas onde não atuava com a maior das lisuras.

Maria Cândida Rocha Silva

Presidente do Banco Carregosa

O colapso do Lehman evidenciou a “necessidade de rever regras e procedimentos”, mas, chegados aqui, Maria Cândida Rocha e Silva vê regras a mais. “Como muitas vezes acontece, está-se a cair no exagero no sentido inverso, com excesso de regulação, que coloca um peso excessivo sobre os bancos, muito em especial — porventura inadvertidamente — sobre os mais pequenos”.

Mesmo assim, a presidente do Carregosa vê progressos no reforço da solidez financeira a nível mundial. “Não obstante haver um novo quadro competitivo introduzido pela regulação, muito desafiante para o setor, foi feito um grande esforço para reforçar a resiliência do sistema financeiro global, que está hoje mais robusto, e esse aspeto deve ser salientado”.

A 13 de setembro de 2008, no fim de semana em que já se discutia a insolvência do Lehman e a dois dias de o banco declarar falência, nem um vestígio do que se passava nos Estados Unidos nas capas dos principais jornais portugueses. Enquanto equipas de banqueiros se reuniam na Reserva Federal de Nova Iorque a um sábado, para discutir a situação do Lehman Brothers depois de Henry Paulson, então secretário de Estado do Tesouro, ter deixado claro que não seriam disponibilizados dinheiros públicos para resgatar o banco, por cá, o foco era a política nacional.

O Diário de Notícias destacava o aumento de tensão entre o Governo de José Sócrates e Aníbal Cavaco Silva, na altura Presidente da República. “PS recusa ceder a Cavaco e mantém estatuto dos Açores”, escrevia este jornal na capa, sobre o novo Estatuto Político-Administrativo dos Açores, que então estava pronto para entrar em vigor e que merecia críticas do Presidente.

Ainda no campo político, mas noutro setor, o Público fazia manchete com a transferência de competências para as câmaras na área da educação, um assunto que hoje volta a marcar a agenda noticiosa. “Contrato para a educação está a ser rejeitado por várias câmaras”, incluindo a de Lisboa, escrevia o jornal.

Já a edição de fim de semana do Jornal de Negócios dava espaço aos números do emprego, noticiando que “30% dos novos empregos da era Sócrates estão no estrangeiro” e que o número de residentes a trabalhar fora tinha disparado 130%. O mesmo jornal escrevia também sobre a situação de colapso iminente do BPN, que, a dois meses de ser nacionalizado, recorria à banca para reforçar o capital.

Alguns meses antes do colapso do Lehman Brothers, um outro banco esteve em risco de cair. Com a situação financeira do banco de investimento Bear Stearns a degradar-se, os acionistas não tiveram outra hipótese se não aceitar vender o banco ao JPMorgan Chase por 236 milhões de dólares, um desconto significativo face ao que o banco valia alguns meses antes. Segundo avançou a CNN na altura, os dois dólares por ação que o JPMorgan Chase pagou pelo Bear Stearns numa segunda-feira contrastam com os 30 dólares que cada título valia na sexta-feira anterior. E ainda mais com os 159 dólares que cada título custava um ano antes.

Foi há 10 anos que o Lehman Brothers colapsou. O dia 15 de setembro marca simbolicamente o início da maior crise financeira dos últimos 80 anos. ‘Onde estava quando o Lehman faliu?’ é uma rubrica diária, de 1 a 15 de setembro, onde empresários, banqueiros, políticos, economistas e advogados dizem ao ECO como viveram a queda do banco e o que aprendemos com a crise.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Está-se a cair no exagero no sentido inverso”. Há “excesso de regulação sobre os bancos”, diz a presidente do Carregosa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião