#OccupyWallStreet 2.0. Como as redes sociais afrontaram os gigantes financeiros

É uma história de David contra Golias nas bolsas, vista tanto como "novo normal" que o poder da internet gerou como "anti-natural, insano e perigoso". Isto foi o que aconteceu à GameStop.

Penso que não voltaremos ao mundo antes disto porque estas comunidades são um subproduto da interligação da internet“. É assim que Alexis Ohanian vê o fenómeno da GameStop, que surgiu na rede social que co-fundou, o Reddit. Foi num fórum, no Wall Street Bets, que surgiu a ideia de investidores individuais se juntarem e apostarem de forma concertada nas ações da GameStop. O resultado foi uma valorização de 2000% em menos de um mês e a fortes perdas de (pelo menos) dois grandes investidores. Spoiler alert: a ação não resistiu e já está começou a cair.

Fundada em 1984 no estado norte-americano do Texas, a GameStop é uma retalhista tradicional que vende jogos de vídeo. Tem 6.700 lojas não só nos EUA, mas também no Canadá, Porto Rico e cerca de uma dezena de países europeus. Entrou na bolsa de Nova Iorque em 2002 a valer 9,95 dólares por ação e em abril, quando anunciou que ia fechar parte da atividade, eram precisos apenas 3,25 dólares para comprar um título.

Como qualquer outra empresa que tem por base serviços ao público, tem sido fortemente penalizada pelas restrições aplicadas ao comércio devido à pandemia. Após uma ligeira recuperação o valor situava-se em 19,95 dólares há duas semanas. Para perceber como é que a GameStop se viu no centro de uma verdadeira história de David e Golias é preciso recuar até setembro.

O investidor e empresário Ryan Cohen comprou uma participação de 13% e começou a fazer lobby para que a empresa apostasse no e-commerce com o objetivo de se tornar concorrente da Amazon. Cohen e dois outros representantes do empresário entraram para o board da GameStop em janeiro. Os pequenos investidores nos fóruns do Reddit viram na ação uma oportunidade de comprar barato e galopar a transição digital do negócio.

A derrota dos Golias de Wall Street

Em sentido contrário, os bancos de investimento em Wall Street viram uma ação barata, em boas condições para apostar numa queda ainda mais acentuada. O shortselling é, normalmente, exclusivo de grandes investidores, que pedem ações “emprestadas” para vender e, quando os títulos desvalorizam, compram mais barato e ganham a diferença. Foi assim que muitas fortunas em Wall Street foram construídas. Mas também é um negócio pode gerar grandes perdas. Que o digam os fundos Melvin Capital e Citron.

O fenómeno tornou-se viral nas últimas semanas, gerando-se uma espécie de bola de neve. Só na segunda-feira os títulos dispararam 135% e, na quinta-feira, cada ação chegou a tocar o máximo histórico de 483 dólares. Significa uma valorização de 2.464% em 2021. O desempenho foi, assim, contrário ao do previsto pelos fundos.

Desempenho da GameStop em bolsa nos últimos três meses

Fonte: Reuters

Melvin Capital e Citron estavam entre os hedge funds que apostaram contra a GameStop tendo-se visto obrigados a fechar posições com 100% de perdas. “Vamos ser mais criteriosos na escolha de ações para shortar. Não significa que a indústria tenha morrido, mas significa que temos de ser mais específicos”, admitiu o managing partner da Citron, Andrew Left, num vídeo no YouTube, que no início do mês chamou à empresa uma “retalhista de supermercado falhada”.

“A Melvin Capital reposicionou o seu portefólio nos últimos dias. Fechámos a nossa posição na GME [GameStop]”, disse um porta-voz da financeira, à Reuters. Não especificou quanto perdeu, mas rejeitou os rumores de dificuldades financeiras. “As publicações nas redes sociais sobre a falência da Melvin Capital são categoricamente falsas“. O caso não foi único nem do lado dos fundos nem das empresas: a norte-americana AMC, a britânica Cineworld ou as francesas Klepierre e Europcar Mobility Group estão entre as empresas abrangidas pelo fenómeno, de acordo com a Bloomberg.

O poder da internet

De forma simplista, as ações valorizam quanto mais os investidores as quiserem comprar. Este caso não é tão simples, já que se tratam em larga maioria de opções, ou seja, produtos derivados adquiridos pelos investidores, que passam a ter a opção de comprar o ativo subjacente quando o contrato atinge a maturidade. Nessa data, os bancos e corretoras têm de ter os ativos disponíveis para os clientes, neste caso, os tais investidores de retalho nos fóruns do Reddit.

Alexis Ohanian, o co-fundador do Reddit, acredita que “numa plataforma ou noutra”, este tipo de iniciativa é um “novo normal” que resulta do potencial revolucionário da internet. “É a oportunidade do Joe e da Jane America — os investidores de retalho em ações — de lutarem contra os hedge funds“, disse, numa entrevista à CNBC.

Numa plataforma ou noutra, este é o novo normal. É a oportunidade do Joe e da Jane America — os investidores de retalho em ações — de lutarem contra os hedge funds. #OccupyWallSt não tinham contas na Robinhood.

Alexis Ohanian

Co-fundador do Reddit

No Twitter, mais tarde, Ohanian viria a envolver-se numa conversa com um utilizador que relatava como os seus pais perderam as poupanças na falência do Lehman Brothers e respondeu: “#OccupyWallSt não tinham contas na Robinhood“, numa referência ao movimento que, em 2011, juntou milhares de pessoas no distrito financeiro de Manhattan, em manifestações contra a desigualdade económica e social e exigências de responsabilização dos grandes bancos pela crise financeira global.

Nunca se saberá se os aforradores compraram ações por uma brincadeira nas redes, na expetativa de ganhar fortunas ou por revolta política, mas indiscutível foi o papel das plataformas de trading que têm ganho adeptos entre os mais jovens devido às baixas comissões, como a Robinhood, a Interactive Brokers ou a Ameritrade. Se já captavam atenções antes, o confinamento e a limitação de onde gastar dinheiro, resultou numa explosão dos números de utilizadores.

Não tenho qualquer simpatia pelos hedge funds, mas ninguém faz dinheiro com especulação. Há muitos jovens que acham que é possível ficar rico muito rápido e também não tenho simpatia para com eles, que não representam a classe trabalhadora. Parece manipulação e vai acabar em lágrimas.

Nouriel Roubini

Economista

A posição de que este é o “novo normal” é, no entanto, tudo menos consensual. Pelo contrário. “Ninguém enriquece com manipulação”, disse o economista Nouriel Roubini que ficou conhecido por prever a crise financeira, numa conferência esta quinta-feira no Porto. “Não tenho qualquer simpatia pelos hedge funds, mas ninguém faz dinheiro com especulação. Há muitos jovens que acham que é possível ficar rico muito rápido e também não tenho simpatia para com eles, que não representam a classe trabalhadora”, afirmou. “Parece manipulação e vai acabar em lágrimas“.

“Se pus a GME no vosso radar e tiveram sucesso, fico genuinamente feliz por vocês. Mas o que quer que seja que está a acontecer neste momento deve ter repercussões legais e regulatórias. Isto é anti-natural, insano e perigoso”, avisou Michael Burry, CEO do Scion Asset Management e investidor que deu origem ao livro e filme The Big Short por ter contornado a crise financeira. Viria mais tarde a apagar a publicação, onde identificou o regulador dos mercados norte-americanos.

Regulador, administração e Congresso querem explicações

Com ou sem identificação nas redes sociais, a Securities and Exchange Commission (SEC) garantiu estar “ativamente a monitorizar” o caso. “Em linha com a nossa missão de proteger investidores e manter o funcionamento justo, ordeiro e eficiente dos mercados, estamos a trabalhar com outros reguladores para avaliar a situação e rever as atividades das entidades reguladas, os intermediários financeiros e outros participantes do mercado”, disse em comunicado. Da mesma forma, também a administração de Joe Biden disse estar a “acompanhar” a evolução.

O rally encontrou, no entanto, oposição esta quinta-feira e pode ter sido o criador a por fim à criação. As plataformas Robinhood e Interactive Brokers suspenderam a negociação das ações da GameStop, bem como de outras ações que estavam na mira do Wall Street Bets.

Isto é inaceitável. Temos de saber mais sobre a decisão da Robinhood de bloquear os investidores de retalho de comprarem ações enquanto dos hedge funds podem livremente negociar as ações que quiserem. Como membro do Comité de Serviços Financeiros, apoiaria uma audição, se necessário.

Alexandria Ocasio-Cortez

Congressista

Apesar de o Reddit e o Twitter terem sido inundados por apelos para que os acionistas não vendessem e até comprassem mais, a decisão levou a uma desvalorização da ação de 44,3% em Wall Street até aos 193,60 dólares. A AMC Entertainment tombou 56%. Os utilizadores recorreram ao seu meio por excelência, as redes sociais, para mostrarem revolta contra a decisão, ameaçando uma fuga em massa destas corretoras.

A congressista Alexandria Ocasio-Cortez criticou a decisão e exigiu explicações. “Isto é inaceitável. Temos de saber mais sobre a decisão da Robinhood de bloquear os investidores de retalho de comprarem ações enquanto os hedge funds podem livremente negociar as ações que quiserem. Como membro do Comité de Serviços Financeiros, apoiaria uma audição, se necessário“, declarou.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

#OccupyWallStreet 2.0. Como as redes sociais afrontaram os gigantes financeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião