Recondicionados, como novos. “Segunda vida” da tecnologia permite poupar muitos euros

A moda dos produtos recondicionados tem vindo a ganhar tração em Portugal. Depois do nascimento de marcas como a Forall Phones, Worten e Fnac também já se renderam aos semi-novos.

Um iPhone XR por 539 euros, menos 200 euros do que o preço original. Ou um portátil moderno, igualmente com desconto de três dígitos. Não, não estamos a falar de burlas na internet. Trata-se da nova tendência dos produtos recondicionados, que está a conquistar cada vez mais portugueses.

Com os modelos mais recentes da Apple a superarem os 1.000 euros, já para não falar do dobrável da Samsung, que dobra para os 2.000, ter a última tecnologia não é para qualquer carteira. Por isso, marcas como a Worten e a Fnac já estão a vender produtos recondicionados. Os preços são bem mais reduzidos quando comparados com os originais.

Longa vida à tecnologia

Um produto recondicionado é, basicamente, um produto usado. Em segunda mão. A diferença está no facto de os recondicionados passarem por processos técnicos que lhe garantem novas condições para essa “segunda vida”. Enquanto um usado passa das mãos do primeiro utilizador para as do segundo, um recondicionado vai primeiro ao “mecânico”.

“São produtos seminovos ou em segunda mão, sujeitos a rigorosos testes de controlo, em termos estéticos e funcionais, que são reparados se necessário, limpos e reconfigurados para o software de origem, para estarem funcionais e operacionais a 100%”, explica ao ECO fonte oficial da Worten.

Neste processo, algumas marcas atribuem uma classificação de A, B ou C, consoante a qualidade do aparelho, que se reflete, depois, no preço. Os recondicionados de categoria A estão em melhores condições do que os de categoria C, que podem apresentar alguns riscos e marcas de utilização.

No caso da Worten, tem uma rede de fornecedores que “efetuam o devido recondicionamento dos equipamentos”. “São analisados e inspecionados em mais de 50 pontos de controlo”, onde os componentes danificados são trocados, o software é atualizado, é feita uma “limpeza completa” e um “novo embalamento”. “Os testes [aos telemóveis] são feitos a vários níveis: som, câmara, botões, bateria, ecrã, entre outros”, indica a retalhista, que afirma vender recondicionados “há cerca de dois anos”.

Já a Fnac tem, desde este ano, um programa próprio de retomas, adquirindo aos clientes artigos usados que pode reabilitar e vender mais tarde. “A Fnac arrancou em 2019 com o programa de retomas onde promove a retoma de artigos usados dos nossos clientes e a posterior venda dos mesmos, pretendendo assim promover a economia circular, dando uma segunda vida a esses mesmos equipamentos”, explica ao ECO o diretor de logística da marca em Portugal, Tiago Figueirôa.

Também estes passam por um processo antes de serem postos novamente à venda: “Todos os recondicionados são alvo de um processo de avaliação, limpeza, manutenção, testes rigorosos e de configuração, com o objetivo de o disponibilizar de novo em bom estado a outros clientes”, continua o diretor. A marca também atribui categorias consoante o estado do produto.

"Todos os recondicionados são alvo de um processo de avaliação, limpeza, manutenção, testes rigorosos e de configuração com o objetivo de o disponibilizar de novo em bom estado a outros clientes, promovendo assim a economia circular e a responsabilidade social.”

Tiago Figueirôa

Diretor de logística Fnac Portugal

Não é possível falar de recondicionados em Portugal sem lembrar a história da Forall Phones, a startup fundada pelo jovem José Costa Rodrigues, que aposta na venda de iPhones usados há já alguns anos. A empresa garante ser “líder” neste mercado secundário de telemóveis.

“Hoje em dia, todos os grandes players do mercado nacional já estão a vender smartphones recondicionados. E isso acontece porque a Forall Phones iluminou o caminho ao mostrar ao consumidor que era possível comprar um produto usado, seminovo, recondicionado, como lhe queiramos chamar, com qualidade e com confiança”, garante o empreendedor português, em conversa com o ECO.

A startup também tem um programa de retomas, assim como técnicos da sua confiança, que analisam os equipamentos e substituem as peças mais desgastadas, como a bateria ou a rede do auscultador. “Se um cliente quiser vir comprar-nos um iPhone 10, pode entregar o seu iPhone 7. E nós aplicamos o valor de retoma e fazemos a diferença para o telemóvel que estamos a vender”, diz.

Mas nem só de telemóveis se fazem os recondicionados. Por exemplo, na loja online da Phone House, é possível adquirir um iPad Pro 2 de 12,9 polegadas por 649 euros, ou um iPad Air 2 de 9,7 polegadas por 299,9 euros, ambos como novos.

Há ainda computadores portáteis recondicionados à venda, como o HP ProBook 640 de 14 polegadas por 319 euros, ou o Macbook Air de 13 polegadas por 599 euros. Este último fica 550 euros mais barato do que o preço original na loja.

Os recondicionados são produtos seminovos ou em segunda mão, sujeitos a rigorosos testes de controlo, em termos estéticos e funcionais, que são reparados se necessário, limpos e reconfigurados para o software de origem, para estarem funcionais e operacionais a 100%.

Fonte oficial da Worten

Com riscos. E com risco?

André Valente, 23 anos, comprou um telemóvel recondicionado em 2016, numa altura em que pouco se falava desta tendência em Portugal. Fê-lo por recomendação de um amigo, meio a medo.

“Um amigo meu tinha encomendado um telemóvel de Inglaterra, recondicionado, e falou-me disso. Como eu tinha interesse em trocar de telemóvel também, foi uma maneira de poupar dinheiro”, recorda, em conversa com o ECO. Não se recorda do nome da loja, mas a poupança ficou-lhe cravada na memória: “Poupei bastante, uns 200 ou 250 euros”, aponta.

A experiência também foi boa, mas típica de um aparelho usado. “Via-se bem que era recondicionado por fora, porque a caixa tinha uma pequena marca e o selo de ser recondicionado. Porém, dentro, estava tudo novo e impecável, como normalmente vem”, aponta.

André Valente já não tem o aparelho, um iPhone 6S. Vendeu-o “a funcionar em pleno” e sabe que “ainda hoje é usado”. Não exclui voltar a apostar nos recondicionados: “Basicamente tens um produto melhor e poupas no preço”, defende.

No entanto, também reconhece existirem “alguns riscos”. “Como é algo que já foi utilizado pode vir com problemas internos que não se veem por fora. Pode chegar o produto às nossas mãos e estar pior do que o anunciado”, elenca. Mas, mesmo neste contexto, existem boas oportunidades à espreita: “Se soubermos analisar bem os grades (estado de conservação do produto), a diferença entre os produtos e as condições de garantia, acabamos por conseguir um bom negócio”, remata.

Inês Gonçalves, 23 anos, foi “embaixadora” da Forall Phones no passado, apesar de garantir que a relação comercial com a marca já terminou. Também comprou um telemóvel recondicionado, o iPhone 7, “há cerca de dois anos”. “Já não me lembro ao certo quanto poupei mas penso que custou cerca de 300 euros e [o original] estava bastante acima disso”, recorda.

Por considerar “impensável” gastar um ordenado mínimo num telemóvel, comprou um recondicionado de categoria C, o grau de menor qualidade. “É o pior, por isso sim, tinha uma pequena marca, provavelmente de queda ou algo do género, na zona superior do iPhone. Mas nada que me desmotivasse, até porque era o único pormenor”, garante.

Admite voltar a comprar um recondicionado quando precisar de trocar de telemóvel. E, especificamente à Forall Phones, aponta uma crítica: a oferta “reduzida”.

São apenas dois exemplos, mas o certo é que as marcas, incluindo as três mencionadas neste artigo, estão a tentar que os recondicionados sejam um produto que, apesar dos riscos, não seja uma aposta de risco. Todos os equipamentos recondicionados têm um ano de garantia, como exige a legislação nacional.

Fonte oficial da Worten indica que “os produtos recondicionados têm uma garantia de um ano, tal qual estipula a lei portuguesa para produtos em segunda mão”. Tiago Figueirôa, diretor de logística da Fnac Portugal, também refere que os clientes da Fnac podem contar com 12 meses de garantia da loja. O mesmo acontece para os iPhones vendidos pela Forall Phones: “Damos uma garantia de um ano, em que a Forall Phones é 100% responsável pela mesma”, refere José Costa Rodrigues.

Via-se bem que era recondicionado por fora, porque a caixa tinha uma pequena marca e o selo de ser recondicionado. Porém, dentro, estava tudo novo e impecável, como normalmente vem.

André Valente

23 anos

Por uns pagam todos

Mesmo com garantia, os recondicionados são um negócio que depende da confiança dos consumidores. E essa, quando acaba, acaba mesmo.

O fundador da Forall Phones vê com bons olhos a nova concorrência neste segmento no retalho: é sinal de que os recondicionados têm “potencial”. Mas pede mais especialização.

“Todas as empresas, as que já estão a operar neste ramo e as que pensam entrar neste ramo, é importante que saibam de antemão que sim, é um negócio em expansão, sim, é um negócio interessante, porque realmente democratizar a melhor tecnologia, vender smartphones topo de gama a preços acessíveis é algo bonito de se fazer, mas é muito importante que saibam em que negócio vão operar. Entrar num negócio para fazê-lo mal só descredibiliza uma área que tem tudo para ser boa para o consumidor final”, desabafa o empreendedor.

"A tendência é que muito mais pessoas encontrem oportunidades no mercado secundário.”

José Costa Rodrigues

Fundador da Forall Phones

Mesmo assim, o empreendedor acredita que o mercado secundário da tecnologia, principalmente os telemóveis, ainda “tem muito por onde crescer”. “O preço dos telemóveis continua a subir. Quando comprei o primeiro iPhone, o iPhone 4, custava 600 euros. Hoje, o último iPhone já custa 1.300″, indica.

Assim, “a tendência é que muito mais pessoas encontrem oportunidades no mercado secundário”. Sobretudo “no penúltimo e antepenúltimo modelo” do iPhone, “que já têm grandes descontos, e que ainda têm vários anos de vida útil pela frente”, conclui o empreendedor.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Recondicionados, como novos. “Segunda vida” da tecnologia permite poupar muitos euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião