Dobrável da Samsung chega a Portugal na semana do Natal. Custa 2.049 euros

O telemóvel dobrável da Samsung vai finalmente chegar a Portugal, mas já em cima do Natal. Tem um preço de 2.049 euros, anunciou a marca esta terça-feira.

O primeiro telemóvel dobrável do mercado vai chegar a Portugal. Nove meses depois de apresentar o Galaxy Fold, a Samsung anunciou que o topo de gama chega às lojas a 23 de dezembro, já em cima do fim da temporada de compras do Natal.

O Galaxy Fold, que tem um ecrã de 4,6 polegadas num dos lados e, depois de aberto, revela um ecrã maior de 7,3 polegadas, tem um preço inicial de 2.049 euros no país. O ecrã menor permite usar aplicações básicas, enviar mensagens e fazer chamadas, enquanto o ecrã grande está adaptado para correr até três apps em simultâneo, ou para o consumo de conteúdos.

Na apresentação, em Lisboa, José Correia, diretor de marketing da Samsung Portugal, reconheceu que o aparelho “chega a Portugal algum tempo depois de estar no mercado”, indicando que a fase de pré-vendas arranca a 6 de dezembro. A empresa aproveitou também para anunciar a reabertura da loja da marca no Centro Comercial Colombo.

A chegada do Galaxy Fold a Portugal acontece depois de os primeiros testes ao aparelho no estrangeiro terem exposto um telemóvel frágil, que deixou de funcionar ao fim de dois dias. O problema levou a empresa a adiar o lançamento e a aperfeiçoar o equipamento, que é mais sensível por ter um ecrã dobrável.

No evento, em Lisboa, o mesmo responsável garantiu que a dobradiça do ecrã suporta até 200 mil aberturas ou fechos. Ou seja, se usada “100 vezes por dia”, o equipamento durará cerca de cinco anos, estimou. Na caixa vem uma capa protetora feita do mesmo material com que são feitos os coletes à prova de bala, disse.

Questionado sobre o porquê de não lançar a tempo da Black Friday, José Correia considerou que este é um produto “que não foi feito a pensar” neste dia de promoções e descontos, que se assinala na sexta-feira, 29 de novembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dobrável da Samsung chega a Portugal na semana do Natal. Custa 2.049 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião