5 telemóveis com ecrãs que se dobram (e alguns até enrolam)premium

Dobram, desdobram e alguns até enrolam. São um segmento emergente no mercado de smartphones, mas estão a afirmar-se... e a inovar. Conheça estes cinco modelos, uns no mercado e outros ainda na calha.

Os telemóveis que dobram não são os modelos mais populares, mas provaram que vieram para ficar.Aaron Yoo via Flickr (CC BY-ND 2.0)

Flip... flop? Nem por isso. Estes smartphones podem não estar na liderança das vendas, mas o conceito do telemóvel dobrável, lançado há dois anos, continua a provar que ainda há espaço para inovar no mundo dos dispositivos móveis.

Neste artigo, damos a conhecer os modelos topo de gama das principais marcas, Samsung e Huawei, mostramos-lhe um outro equipamento capaz de gerar saudade, e terminamos com dois conceitos na calha, aos quais vale a pena ficar ficar atento (pista: são telemóveis que enrolam).

Samsung Galaxy Z Fold2

O Galaxy Z Fold2 da Samsung foi lançado em setembro de 2020 e é o flagship dobrável da marca. Com pouco mais de 159 centímetros de altura, quando fechado, este smartphone apresenta um ecrã Super AMOLED com 6,23 polegadas. Quando aberto, desvenda um ecrã bem maior, de 7,6 polegadas de diâmetro, ideal para executar várias tarefas em simultâneo ou para o streaming de conteúdos.

Na parte traseira, apresenta um sistema de câmaras triplo, com diferentes aberturas e sensor de 12 megapíxeis cada uma. Filma a 4K e 60 FPS (frames por segundo), incluindo em modo selfie (neste caso, apenas a 30 FPS). É ainda uma máquina com 12 GB de memória RAM, bateria de 4.500 mAh e existem versões com 256 GB e 512 GB de armazenamento.

Se está à procura de num smartphone adaptado à nova era do 5G, esta é uma opção. Mas não é barata: a versão Mystic Black (cor preta) de 256 GB é vendida pela Fnac por 2.049,99 euros.

Huawei Mate Xs

Entre as principais marcas, a Huawei também está na corrida dos dobráveis e lançou no mercado, em março do ano passado, este Mate Xs. É um telemóvel com 512 GB de armazenamento e 8 GB de RAM, incluindo uma bateria de 4.500 mAh.

A grande diferença deste aparelho face ao da concorrente Samsung é o mecanismo de dobra: enquanto a Samsung aposta em dois ecrãs independentes (um na parte frontal e outro, dobrável, no interior), o modelo da Huawei inclui um único ecrã exterior que pode ser dobrado ao meio: quando fechado, tem 6,6 polegadas de cada lado. Quando aberto, são oito polegadas de diâmetro, espaço suficiente para os utilizadores mais multitarefais.

O Mate Xs tem um sistema de quatro câmaras, a principal com 40 megapíxeis. Filma a 4K, mas não a 60 FPS. Também é um telemóvel 5G, mas não foi fácil de encontrar unidades disponíveis em stock nas principais lojas em Portugal. Se mesmo assim quer saber o preço, estamos a falar de um topo de gama que pode custar-lhe 3.179 euros.

Note que, uma vez que a Google está impedida de fornecer tecnologia à Huawei, os smartphones da marca chinesa não têm acesso à Play Store, a loja de aplicações do Android. Os equipamentos usam uma versão adaptada do Android e incluem, todavia, a App Gallery, a loja homóloga desenvolvida pela Huawei. Muitas das aplicações mais comuns estão lá, exceto alguns serviços da Google, como o Maps e o YouTube.

Motorola Razr 5G

Saudades de outros tempos? O Razr 5G dá-lhe dois motivos para sentir nostalgia: é um flip phone, e é um Motorola.

A marca tem vindo a apostar neste segmento de nicho, recuperando o modelo de dobradiça ao meio e na horizontal. O Razr 5G, sucessor do modelo semelhante lançado em 2019, é bastante melhor do que o seu antigo telemóvel de há duas décadas. Tem dois ecrãs OLED, um pequeno à frente, de 2,7 polegadas, e outro de 6,2 polegadas quando aberto.

Além disso, é um equipamento 5G, capaz de tirar partido da rede que está prestes a ser lançada pelas operadoras em Portugal. O sistema operativo é a décima versão do Android.

Atente neste modelo se é fã de equipamentos mais pequenos e portáteis. Mas prepare-se para o ecrã provavelmente mais estreito do que o habitual. Todavia, o Razr 5G ainda não chegou ao mercado nacional. Não se conhece nem o preço recomendado nem se está previsto ser disponibilizado no país, mas lá fora vende-se por 1.499,99 euros.

LG Rollable

There's a new "kind" in town. Depois de vários rumores, a LG confirmou este ano que se prepara para lançar um telemóvel com ecrã que enrola. Leu bem: um ecrã que enrola.

Não é fácil de explicar, nem tampouco de entender. Basicamente, a ideia é ser um telemóvel aparentemente "normal", mas cujo ecrã estica e "cresce" até ficar uma espécie de pequeno tablet. Pelo menos essa é a promessa da marca.

Ainda se sabe pouco sobre o que está na calha da marca. E, fazendo fé em informações mais recentes, podemos nunca chegar a saber. Segundo o Tech Radar, a LG estará a ponderar deixar o mercado de smartphones e o Rollable pode acabar por não ver a luz do dia.

Mas a prudência aconselha aguardar mais um pouco pelas informações oficiais. E palavra dada...

Oppo x 2021

Mesmo que a LG desista do telemóvel que enrola, o conceito não fica na gaveta. Está mais do que confirmado que a chinesa Oppo vai lançar um telemóvel que enrola, até porque o mesmo já é conhecido. O modelo que a marca está a desenrolar é Oppo x 2021.

Tal como o modelo da LG, o conceito do Oppo x 2021 é ser um smartphone de dimensões mais convencionais, mas cujo ecrã "cresce" e se transforma num pequeno tablet. Fechado tem 6,7 polegadas, aberto tem 7,4.

As imagens já disponíveis no site da Oppo mostram que este smartphone vai ter um "botão mágico" na parte lateral. Um simples deslize com o dedo aciona o mecanismo de deslize e o ecrã abre. Isto é possível porque, enquanto fechado, o excedente do ecrã está literalmente enrolado no interior do smartphone.

Em linhas gerais, é um formato diferente do dos dobráveis da Samsung e da Huawei, que vai testar em breve o apetite do mercado.

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos