Semana de quatro dias ganha adeptos. Empresas que testaram não a querem deitar por terrapremium

Trabalhar de segunda a sexta-feira e descansar ao fim de semana. Tem sido um modelo quase inquestionável, mas fará ainda sentido?

Fará sentido trabalhar cinco dias e descansar ao fim de semana? O debate não é novo, mas a pandemia veio dar-lhe um forte empurrão. Islândia, Escócia, Bélgica, Irlanda e Espanha já estão testar uma semana de trabalho mais curta. Em Portugal, o PS voltou a trazer o tema para o centro das atenções."Discutir novas formas de equilíbrio dos tempos de trabalho, incluindo a ponderação de aplicabilidade em diferentes setores das semanas de quatro dias" é uma das 12 promessas que constam do programa eleitoral socialista. E, embora os casos sejam ainda poucos, já há mesmo empresas que começam a equacionar a semana de trabalho de quatro dias e outras que passaram da discussão interna aos atos. Na Feedzai e no Doutor Finanças, no ano passado agosto foi o mês da semana de trabalho mais curta.

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos