2016 foi mau? Não sejam parvos

O ano de 2016 foi complicado, mas que tal falarmos de coisas boas? Está na hora de valorizarmos o que é nosso e de percebermos que só depende de nós próprios que 2017 seja um grande ano.

Eu compreendo que este tenha sido um ano complicado. Na música, levou-nos o Leonard Cohen, o David Bowie, o George Michael e o Prince. Na política, deu-nos o Trump e continuou a Geringonça. Como em todos os anos, aconteceram grandes tragédias e partiram pessoas que admirávamos.

Mas, e que tal falarmos das coisas boas? Temos mesmo esta necessidade de ver o copo sempre meio vazio? Que coisa é esta, tão portuguesa, que nos obriga a ver a vida de um modo tão carrancudo? Se um dos sete anões da Branca de Neve fosse português, certamente que seria o Zangado.

Olhemos antes para o outro lado da moeda. Este também foi o ano em que finalmente ganhámos o Europeu de Futebol (em França e aos franceses!) e em que o Ronaldo ganhou a quarta Bola de Ouro.

Foi também o ano em que a Telma Monteiro ganhou uma medalha olímpica, em que o António Guterres chegou à liderança da ONU e em que Durão Barroso atingiu a presidência de um dos maiores e mais influentes bancos do mundo.

Este foi o ano em que batemos novamente recordes no turismo, em que as nossas universidades voltaram a conseguir grandes feitos nos rankings internacionais, em que acolhemos o Web Summit e em que várias startups nacionais foram notícia lá fora. Foi ainda o ano em que fomos notícia nos quatro cantos do mundo por sermos um país à frente de todos os outros nas energias renováveis.

Ainda não estão satisfeitos? Este foi o ano em que o Cantona, o Louboutin e a Mónica Bellucci descobriram que Portugal é o melhor país do mundo para viver. Há algo melhor do que deixar irritados franceses e italianos? Vá lá, confessem, 2016 não foi assim tão mau.

Até na minha área (Publicidade) 2016 foi bom. O investimento cresceu, o mercado mexeu e as agências nacionais tiveram uma ótima prestação em Cannes. Até a minha agência deu um pequeno contributo para o ego publicitário nacional ao fazer uma campanha da marca Windows para toda a Europa e ao ajudar a criar um festival de publicidade de cariz mundial sediado em Lisboa.

O interessante no meio disto tudo é que nós, portugueses, continuaremos sempre a ser uns parvos que teimam em encontrar defeito em tudo o que é nacional.

O coitado do Guterres foi para a ONU, mas foi mau primeiro-ministro, a seleção nacional ganhou o Euro, mas o Éder teve sorte, o Ronaldo joga ‘p’ra caraças’, mas tem off-shores, a Telma Monteiro é boa judoca, mas é uma quase vira-casacas que quase viu a luz e quase se mudou para Alvalade, o Durão Barroso quer trabalhar, mas devia era estar num lar a jogar à sueca, o Web Summit trouxe muita gente ao nosso país, mas são todos totós e as startups são fixes mas as metalúrgicas é que criam emprego à séria.

Se prova faltasse sobre a forma parva como nos rebaixamos perante o mundo, basta vermos o síndrome que temos quando nos referimos aos nossos emigrantes: o Zé Manel está na Suíça e lá todos têm carros topo de gama com menos de dois anos; a Maria Isabel foi trabalhar para Londres e lá todos comem fora quatro vezes por semana; o António está em Bruxelas e lá os empregos pagam três ou quatro vezes mais do que aqui, e por aí adiante.

Está na hora de olharmos menos para trás e mais para a frente, menos para o lado e mais para nós. Está na hora de valorizarmos o que é nosso e de percebermos uma coisa simples: só depende de nós próprios que 2017 seja um grande ano.

Feliz Ano Novo!

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

2016 foi mau? Não sejam parvos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião