A justiça e o ‘pós-verdade’

Em 2017, deveria impor-se uma agenda decidida e firme de modernização da justiça, para acabar com a imprevisibilidade e desconfiança que tanto prejudicam a economia do país.

Portugal convive há décadas com uma justiça que não responde aos seus cidadãos em tempo útil e, no entanto, não se vislumbra na sociedade portuguesa a indignação que a situação justifica. Seja porque já se habituaram à sua lentidão, ou porque a ela nunca recorreram – nem admitem recorrer –, os cidadãos, de forma quase acrítica, lá vão aceitando o maldito “statu quo”.

Vive-se, creio eu, num estado de torpor, paradoxalmente inflamado, sempre que se toca no assunto. Assim, quando se fala ou se escreve dos atrasos da justiça, em particular dos vários anos que em média (!) demoram os processos findos em primeira instância – fora o tempo despendido em recursos processuais e, hoje em dia, cada vez mais, também em recursos financeiros – os portugueses, depois da exclamação ou do impropério, como que encolhem os ombros, ora esboçando um sorriso piedoso ora um esgar de desespero. Raramente de revolta.

Não tenhamos dúvidas: a justiça, não obstante a separação de poderes, é administração pública. É aliás dos clássicos. Trata-se de um dos pilares fundamentais que o Estado, enquanto tal, tem de assegurar aos seus cidadãos, seja no estado mínimo ou no estado máximo. Não há aqui, nestes facciosos tempos de “pós-verdade”, nem meios-termos nem meias verdades (nem “inverdades”, esse neologismo tão popular entre os nossos políticos).

A falta de resposta da justiça, na substância ou na forma, é assim uma grosseira falha de Estado, que no campo da economia representa o portão aberto à falta de confiança, à informalidade, à conflitualidade, à chantagem, ao chamado “free riding”, enfim, a todo o tipo de abusos chancelados pela omissão governamental. Pudera!

O próprio Estado, constituindo-se como o maior caloteiro da economia nacional, ele próprio um grandíssimo Peres, é o primeiro a impor os seus abusos ao resto da sociedade. Se não sabe, experimente litigar contra qualquer ministério ou administração pública e logo verá. Não é, pois, por acaso que neste país os contratos entre o Estado e alguns investidores se fazem tendo como foro jurídico outras praças (internacionais) que não Lisboa. Assim se faz, seguramente no caso português, “to provide legal certainty”.

Nunca é de mais repeti-lo e, por isso, aqui vai: o último relatório de competitividade do “World Economic Forum” qualifica Portugal no 126º lugar entre 138 países em matéria de eficiência da justiça; no nosso país, as decisões judiciais nos processos administrativos, cíveis e fiscais findos em primeira instância (excluindo, portanto, os recursos para segundas instâncias) demoram em média 3 anos.

Desta forma, nestas circunstâncias de insegurança e imprevisibilidade contratuais, de arbitrariedade e morosidade jurídicas, deveria impor-se neste ano de 2017 uma agenda decidida e firme de modernização do aparato judicial – tornando-o transparente e inteligível ao comum dos mortais, resgatando-o dos passos perdidos dos tribunais e das agendas corporativas dos seus agentes –, e não uma atitude de distanciamento político que frequentemente se refugia no cobarde e vazio ditame do “da justiça ao que é da justiça”.

Bem sei que num país onde se diz que a corrupção grassa em cada esquina governamental, a inoperância da justiça poderá até convir a muitos. Mas certamente não convirá a muitos outros, muitos mais aliás, que na economia real e no dia-a-dia gostariam de sentir confiança nas instituições portuguesas. E de ter num contrato a salvaguarda formal do valor da palavra, ou do tradicional aperto de mão, na prática, de ter uma defesa contra a falta de palavra, contra a cultura de “pós-verdade” que hoje, alegremente e sem veemente repúdio, faz escola, mestres e discípulos, neste país. A começar na alta esfera do Estado

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A justiça e o ‘pós-verdade’

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião