A Justiça é para todos, senhor engenheiro!

O arguido da Operação Marquês diz que não tem “mentalidade de servo e não reage bem ao arbítrio” e que não se deixa atemorizar pelas “ameaças dos procuradores”.

Esta semana, graças à revista Visão, foi a vez do arguido, em tempos o mais famoso da praça mediática, ter dado azo a mais uma multiplicação de carateres da nossa parte e protagonizar mais um episódio caricato da nossa Justiça.

José Sócrates de seu nome, ou animal feroz como em tempos se autoproclamou, achou que as diversas viagens (algumas de várias semanas) que tem feito para o Brasil, enquanto ainda é arguido da Operação Marquês, — acusado, pronunciado e à espera de julgamento — não deveriam de maneira nenhuma ser comunicadas às autoridades judiciárias. Mas, segundo o que diz a lei, todos os arguidos sujeitos à medida de coação de Termo de Identidade e Residência (a menos gravosa que existe) têm de avisar as autoridades se se ausentam por mais de cinco dias de Portugal. Não vamos mais longe: eu, modesta e humilde jornalista, tive de o fazer para conseguir gozar umas férias na Jamaica, quando tinha cometido o crime de violação de segredo de Justiça (what else!?). Mas não, o senhor ex-PM, eleito em tempos com uma maioria absoluta, agora apenas arguido e acusado em um dos processos mais mediáticos dos últimos sete anos, vem para os jornais dizer que não comunicou as ausências para proteger “a vida privada”.

O arguido da Operação Marquês diz ainda que não tem “mentalidade de servo e não reage bem ao arbítrio”, que não se deixa atemorizar pelas “ameaças dos procuradores”. Ou seja: não tem perfil, estofo, ou quiçá, paciência, para cumprir a lei, mesmo quando já está a braços com uma acusação.

Pois bem, a nossa Justiça parece pouco ter aprendido com o caso Rendeiro. Parece que, também agora, os sinais de alarme ainda não tocaram e parece ainda que o Ministério Público não acha por bem fortalecer um um bocadinho a medida de coação (não o deveria ter feito já há mais tempo?) de alguém que já provou que acha que está acima de tudo e todos. Incluindo da Justiça. Vamos assistir com pipocas e num sofá bem confortável as cenas dos próximos capítulos. A novela da cabala promete.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

A Justiça é para todos, senhor engenheiro!

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião