A recuperação será verde?

  • Pedro Martins Barata
  • 18 Maio 2020

Vários sinais apontam já para mudanças reais no nosso paradigma trazidas por esta crise. O mais claro foi a emergência do teletrabalho e ensino distância que cortou as emissões de CO2 para atmosfera.

Este é um dos desafios mais prementes do momento: a ânsia da recuperação da economia mundial no período pós-pandemia. Por muito grave que a crise económica seja, e ela arrisca-se a sê-lo de uma forma devastadora, é importante perceber que a crise climática que a precedia e que continua connosco é de uma complexidade muito maior e terá efeitos a longo prazo muito mais devastadores, ainda que, tal como a proverbial rã na panela, não nos apercebamos que estamos a ser “cozinhados”.

Um bom sinal, sem dúvida, foi a reafirmação nos últimos dias por parte de muitos líderes internacionais, em eventos como o Diálogo de Petersberg, da absoluta necessidade de conciliar a recuperação económica com a solução da crise climática. Tal como referiu o chefe de gabinete do presidente Obama aquando da última crise financeira, “uma crise é uma oportunidade (de mudança) boa demais para ser desperdiçada…”

Mas, mais do que as intenções expressas por governantes e celebridades, vários sinais apontam já para mudanças reais no nosso paradigma trazidas por esta crise. O mais claro, sem dúvida, foi a emergência do teletrabalho e ensino distância que cortou o número de deslocações e, por consequência, a redução das emissões de CO2 para a atmosfera.

Há ainda, sinais mais subtis destas mudanças: a reinvenção de processos industriais através da impressão 3D para produção de viseiras e de outras componentes usadas em ventiladores; e a necessidade do comércio online. Estas soluções e alterações adotadas um pouco por todo o mundo, mostraram-se mais verdes, contribuindo para uma quebra de quase 1 milhão de toneladas nas emissões de CO2 por dia.

Para além da simples aplicação tecnológica, assistiu-se também a um questionamento mais sincero dos nossos valores sociais. Tivemos a oportunidade de parar e de nos conhecermos melhor uns aos outros, observando-se uma proximidade entre vizinhos, comerciantes locais, e o bairro ganhando uma expressão que muitas vezes não a tinha. Na cidade, passámos a ser cúmplices uns dos outros quando nos espreguiçamos à janela, ou passamos com o cão pelo transeunte já não anónimo no parque.

O tempo dirá se muitos destes sinais se repercutirão no futuro na nossa vivência quotidiana. Há, contudo, uma questão que me parece inegável e que esta crise veio mostrar: a emergência de um novo modelo de produção e utilização de energia. Por via da limitação dos consumos, por via da queda do preço do petróleo, teme-se agora se não o fim do investimento, pelo menos o fim do ciclo ascendente em investimento nas energias renováveis.

Por um lado, os números da produção elétrica em Portugal e na Europa contam outra história, como descrevem os artigos do The Hill sobre a realidade alemã, Business Green, desta vez no Reino Unido e ainda o Financial Times sobre a crise e o seu impacto nas renováveis e no investimento. Em vários países batem-se diariamente recordes de penetração de energia renovável – solar, em particular – em grande parte também pela melhoria da qualidade do ar nos centros urbanos. Menos poeira significa ar mais limpo, melhor insolação e, logo, mais produção de energia.

Por outro lado, a experiência de uma disrupção social como a que esta pandemia causou, demonstrou a resiliência dos sistemas elétricos com alta penetração de energias intermitentes. Sabendo que estas não podem ser armazenadas na sua forma original, os resultados foram notáveis – as luzes não se apagaram – como confirmamos agora nos recordes de solar e eólico. Ao mesmo tempo, a resiliência de um sistema aumenta quando ele comporta alternativas e redundâncias e, como tal, esta crise veio mostrar também à sociedade a resiliência de modelos como o “prosumer” (produtor/consumidor) de eletricidade.

A geração renovável, em particular a geração distribuída, provou poder contribuir decididamente para a resiliência destes sistemas, ao mesmo tempo que melhora o acesso democrático à energia. A Coopérnico, cooperativa única de apoio às energias renováveis, continuará, por isso, com ainda mais força nos próximos anos na senda do investimento e comercialização de eletricidade renovável em Portugal.

Hoje com cerca de 1000 clientes em Portugal e produzindo anualmente 1850 megawatts-hora de energia limpa, evitamos a emissão de 687 toneladas de CO2 para a atmosfera. É por isso que nesta Primavera há razões para ter alguma esperança no futuro, e no futuro das energias renováveis.

  • Pedro Martins Barata
  • Membro da direcção da Coopérnico - Cooperativa de Energias Renováveis e consultor em energia e alterações climáticas da Comissão Europeia, OCDE, Banco Mundial e Ministério do Ambiente

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A recuperação será verde?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião