Editorial

As greves boas e as greves más

Depois da greve dos enfermeiros e da greve dos motoristas, descobrimos que há greves boas e greves más. Que sirva, ao menos, para abrir a discussão sobre as condições de exercício do direito à greve.

Foi assim com os estivadores, foi assim com os enfermeiros, está a ser assim com os motoristas de matérias perigosas. São movimentos que não são controlados nem por partidos, nem pelo CGTP (a UGT só existe porque dá jeito ao PS e ao PSD), são movimentos que se organizaram em sindicatos e são muito recentes e perceberam que as redes sociais podem ser usadas a seu favor. São os maus grevistas, são os suspeitos, que estão ao serviço de interesses.

Assistimos a isto nas últimas greves, a uma tentativa de descredibilização de trabalhadores e sindicatos. Com os enfermeiros, com os professores que não dependem de Mário Nogueira e da Fenprof, agora com os motoristas de matérias perigosas que estão fora da Fectrans. São investigados os promotores, os seus líderes e as respetivas fontes de financiamento. Ficamos até a saber que há um vice-presidente sindical que não é motorista, é advogado, e até tem um Maserati, como se isso fosse relevante para as reivindicações daqueles trabalhadores, justas ou não. Tão relevante como saber que o ministro que ‘resolveu’ a greve tinha um Porsche.

O escrutínio a estes novos sindicatos – desejável – não tem paralelo com o escrutínio aos sindicatos instalados e dependentes da nomenclatura partidária e laboral. Há uma evidente descriminação negativa. Agora, sabemos, há os bons e os maus dentro do sindicalismo, os nossos e os deles. Afinal, nem todos as lutas dos trabalhadores se justificam, nem todas as reivindicações são justas. No limite, há o bons e os maus trabalhadores, as greves que estão dentro dos limites e as que os ultrapassam, as selvagens.

Há várias razões para o aparecimento destes novos sindicatos, uma delas, a mais óbvia, a incapacidade dos sindicatos existentes de os defenderem. Mas parece haver uma vaga de novos movimentos agora, que fogem ao controlo político e sindical. Uma das razões é mesmo a Geringonça.

A Geringonça, com o PS no Governo e o apoio do PCP e do BE, foi construída para servir o poder e, como é evidente ao fim de quase quatro anos, não se serve o poder nas ruas. E estes anos até foram particularmente favoráveis, porque o crescimento económico internacional e a austeridade interna – que mudou de sítio – chegaram para redistribuir. Criaram-se expectativas, fizeram-se promessas, e agora a Geringonça não chega para defender os trabalhadores. E o que fazem? Organizam-se de outra forma, noutros sindicatos. Como é que a Geringonça está a responder? Tentando descredibilizar estes movimentos, o melhor caminho para o aparecimento de outros, noutros setores.

Destas greves, ressalta uma oportunidade ‘soprada’ em surdina pelos que criticam estes novos sindicatos e greves, e isso é ‘mérito’ destes grevistas. A disponibilidade para se discutir essa coisa sagrada – e sempre repetida por qualquer político que se preze – que é o direito à greve independentemente dos impactos e consequências no país, as condições de exercício desse direito e sobretudo as condições em que se definem os serviços mínimos e a requisição civil. A greve é um direito, mas não pode ser um direito absoluto, tem de ser avaliado em perspetiva de outros direitos, pesados os vários interesses. E os interesses de uma classe, por mais relevante que seja, não podem pôr em causa o interesse público.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

As greves boas e as greves más

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião