Celebrar como se fosse 2009

  • Pedro Miguel Silva
  • 15 Dezembro 2017

Pela primeira vez nos 20 anos em que o estudo é realizado, Portugal é o país mais otimista de todos os analisados e aquele onde se observou a maior evolução face ao ano passado.

Possessing is not as important as it once was. Accessing is more important than ever”, Kevin Kelly (The Inevitable)

O principal destaque do Estudo de Natal da Deloitte deste ano é a evolução muito favorável das expectativas dos consumidores portugueses em relação à sua situação económica e ao poder de compra.

Pela primeira vez nos 20 anos em que o estudo é realizado, Portugal é o país mais otimista de todos os analisados e aquele onde se observou a maior evolução face ao ano passado. Este ano, 39% dos inquiridos percebe a situação atual como positiva, comparado com 15% no ano passado, enquanto apenas 20% percebe a situação atual como negativa, comparado com 49% o ano passado. O saldo entre respostas positivas e negativas à evolução do poder de compra evoluiu de -23% para +2%.

Embora a evolução das expectativas dos portugueses tenha sido extremamente favorável, o mesmo não se pode dizer relativamente às intenções de consumo.

Depois de uma queda abrupta entre 2009 e 2014 no orçamento declarado para a quadra natalícia, de 620 para 270 euros por agregado familiar, observámos, nos últimos dois anos, uma recuperação. Em 2016 o valor registado foi de 359 euros e este ano de 338 euros, o que representa uma ligeira redução face ao ano anterior.

Utilizando o ano de 2009 como base de comparação para estes dois indicadores – avaliação do estado atual da economia e consumo esperado na quadra natalícia – observamos que, depois de três anos a evoluir no mesmo sentido, parece ter deixado de haver correlação entre a forma como é avaliada a conjuntura económica e a disponibilidade para o consumo. Vemos duas possíveis causas para esta ocorrência.

Por um lado, o período prolongado de maior instabilidade e incerteza face ao futuro, vivido entre 2009 e 2014, poderá ter mudado estruturalmente os hábitos de consumo da população residente em Portugal. O consumidor ter-se-á tornado menos impulsivo, procurando fazer uma gestão mais ponderada do seu orçamento e dos seus atos de consumo.

Por outro lado, esta foi também a década em que a utilização de dispositivos digitais móveis se massificou, viabilizando modelos de transmissão de valor baseado na utilização em vez da posse. Artigos que eram popularmente transmitidos como bens, tais como filmes, música ou jogos, são hoje consumidos como serviços digitais. As respetivas indústrias sofreram também uma forte desmonetização, com as principais plataformas a disponibilizar ao consumidor versões gratuitas de serviços de streaming, que remuneram os criadores de conteúdos de forma alternativa, normalmente através da publicidade.

Independentemente da causa – económica, demográfica, social ou tecnológica – parece claro que a última década assistiu a uma mudança significativa, não só no perfil de consumo, como também no papel que este desempenha na vida das pessoas.

Hoje definimo-nos menos pelos bens que possuímos e mais pelas experiências que vivenciamos. À medida que a nossa presença digital ganha importância, diminui a relevância social da posse. Por exemplo, nas redes sociais, partilhamos mais fotografias de saídas com amigos do que de bens comprados.

Estima-se que a conjuntura económica em Portugal continue a evoluir favoravelmente no médio prazo. O consumidor também evoluirá, embora de forma mais incerta. A única certeza é que já não voltaremos a 2009.

*Pedro Miguel Silva é partner da Deloitte.

  • Pedro Miguel Silva

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Celebrar como se fosse 2009

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião