Confiança. O negócio da banca

Entrega dinheiro a quem não confia? Não. Por isso é que segue os conselhos do seu gestor de conta. Mas nem sempre o aconselhamento é o melhor. E quem vende não explica. Falta literacia financeira.

“Boa tarde. Estou a ligar do seu banco. Estou a contactá-lo porque temos aqui um novo produto de poupança que achamos que lhe poderá interessar…” Esta é a conversa típica que qualquer gestor de conta faz vezes sem conta, hora a hora, dia após dia, com praticamente toda a carteira de clientes que tem a cargo. Uma cortesia? Não. Faz parte do trabalho.

Produtos novos? Há quase todos os dias. Mesmo que não sejam efetivamente novos, os bancos dão-lhe uma roupagem diferente para os relançar no mercado. Depois cabe à rede de balcões, aos gestores de conta fazerem deles um sucesso. São eles que os têm de vender. Sim, vender! Por muito que procurem ajustar a oferta ao cliente, estão a vender um produto que terá um retorno mas também gerará comissões para o banco – afinal, é um negócio. Precisa de ganhar dinheiro.

Quem vende nem sempre percebe bem o que está, efetivamente, a colocar no mercado. São intermediários entre o cliente e o banco. Mas são eles a força de uma qualquer instituição financeira. São eles que têm os contactos dos clientes que têm dinheiro para os subscrever. E, mais importante ainda, são estes gestores que têm a confiança dos clientes. E o negócio da banca depende disso mesmo, da confiança. Ninguém entrega dinheiro a quem não confia.

A confiança é bonita. Mas pode sair cara aos clientes da banca. É junto dos gestores de conta que uma grande parte dos portugueses procura aconselhamento. Quase 60% dos entrevistados no mais recente Inquérito à Literacia Financeira seguem o conselho dado ao balcão da instituição onde adquirem o produto. Ou seja, quem lhe quer vender produtos tem essa vantagem de ser visto como alguém que quer o melhor para si.

No passado bem recente, este modelo já deu provas de que falha. Falhou várias vezes. E já custou muitos milhões de euros a portugueses apanhados desprevenidos por escândalos financeiros como o Banif ou o BES, e antes o BPN e BPP. Muitos casos, casos a mais. Mas os portugueses continuam a confiar cegamente nos gestores de conta, mesmo sem perceberem muitas vezes o que estão a comprar. E os gestores também não explicam.

É um problema para o qual os reguladores têm vindo a alertar mas que invariavelmente esbarra num défice dos portugueses que é o de falta de conhecimentos financeiros. A literacia financeira tem evoluído nos últimos anos. Está a melhorar, mas é suficiente? Não. Como é que podemos ficar satisfeitos com os fracos sinais de melhoria quando ninguém (dos inquiridos, leia-se) é capaz de responder corretamente a cinco questões básicas sobre taxas de juro?

Como é que num país em que mais de 1,5 milhões de famílias têm contratos de crédito à habitação – fora outros empréstimos ao consumo – e continuam a não saber o que é a Euribor? É preciso olhar para a questão da literacia (falta dela) como um problema sério. É urgente. Ou alguém quer ver sequelas das desgraças da banca?

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Confiança. O negócio da banca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião