Do RoboCop ao RoboCoach

  • Maggie João
  • 13 Setembro 2019

Todos os portugueses puderam maravilhar-se com a imagem holográfica de um apresentador de televisão que foi teletransportado para um local a 400 Km de distância.

Cada vez mais se fala da Inteligência Artificial (AI) e de como está aí ao virar da esquina. Muitos são os programas televisivos e algumas notícias sobre as incursões da ciência nesta realidade virtual cada vez mais atual.

Se há alguns anos víamos a AI como algo longínquo e quase improvável, hoje já não podemos pensar assim. Até porque com a AI a concretizar-se muitas serão as alterações que se verão no nosso quotidiano. Enquanto alguns enterram as cabeças na areia, e outros desacreditam os avanços da tecnologia, há outros que sendo ou não entusiastas da AI, se predispõem a pensar e a ponderar como será o mundo quando humanos e avatares coexistirem.

A melhoria contínua sempre foi uma realidade e se a eletricidade apareceu em força em Portugal há pouco mais do que 70 anos, ou seja em meados do século passado, nos finais do mesmo século foi a internet, duas coisas sem as quais não se pode viver no atual século XXI. Esta melhoria contínua continuará a existir e ocorrerá em inúmeras áreas.

Vamos então debruçarmo-nos sobre o que será a AI no mundo do Coaching. Qual será o impacto que a AI terá no mundo do Coaching? Serão os coaches substituídos por roboCoaches? Será que alguns temas em Coaching poderão ser conduzidos por roboCoaches enquanto outros destinar-se-ão a coaches humanos? Estaremos nós mais confortáveis a confidenciar com um roboCoach do que com um coach? Como será a relação roboCoachcoachee? Como se alterará a ética profissional?

Embora ainda numa fase de mais perguntas do que respostas, o que é certo é que a AI já começa a avançar na arena do capital humano. Talvez alguns dos leitores já estejam familiarizados com o Tengai, o robô de recrutamento, criado em colaboração pela Furhat Robotics da Suécia e pela agência de recrutamento TNG. As vantagens deste robô de recrutamento residem na ausência de qualquer tipo de enviesamento nem juízos de valor durante as entrevistas de emprego, resultando em entrevistas estruturadas, anónimas, focando-se nas soft-skills e nas características pessoais do candidato. Note-se que o Tengai não sabe qual o género, nem a idade do candidato, nem mesmo o que têm vestidos na entrevista.

Do Tengai ao roboCoach vai apenas um passo. Também já existe a plataforma Sparkus desenvolvida por coaches profissionais que proporciona ao cliente um processo híbrido entre exercícios de coaching em formato digital, muito parecido com uma sessão de life coaching, combinado com a interação humana.

Portanto, é bem possível que muito em breve estejamos a ouvir falar de outro tipo de Inteligência Artificial que vem substituir os coaches na sua profissão, ou em parte dela. Por um lado, muitos dos leitores e coaches poderão argumentar que se irá perder o toque humano na relação coach-coachee. Por outro lado, outros poderão defender que algumas pessoas se sentirão mais à vontade com uma máquina (e, por conseguinte, estabelecer uma melhor relação e serem mais autênticos com o robô), que está formatado para não os julgar à partida, do que com um ser humano.

No meio disto tudo, vejo duas certezas:

1) a AI já não é uma utopia, mas sim uma realidade crescendo a um ritmo vertiginoso e

2) já existem programadores a trabalhar em robôs na área do capital humano.

Por isso a meu ver, será interessante que mais coaches profissionais em todo o mundo se juntem a esta corrida e estejam envolvidos desde cedo na programação dos roboCoaches ou os coachbots, como são designados internacionalmente. De acordo com o Professor David Clutterbuck, atualmente mais psicólogos do que coaches estão a integrar as equipas de desenvolvimento de coachbots na área do capital humano. A integração de coaches nestas equipas multidisciplinares torná-las-á certamente mais ricas.

Adicionalmente, neste verão todos os portugueses se puderam maravilhar com a imagem holográfica de um apresentador de televisão que foi teletransportado para um local a 400 Km de distância com o objetivo de entrevistar os organizadores e artistas na abertura do Festival de Música de Paredes de Coura. Esta tecnologia 5G desenvolvida pela Vodafone e pela sueca Ericsson, mostra mais uma vez como o que muitos chamam de ideias futuristas, são na verdade realidade.

Estas imagens holográficas podem muito bem ser um próximo passo no mundo do Coaching, em que o coach é teletransportado para fazer a sua sessão de coaching com o seu cliente que se encontra a quilómetros de distância.

Até esta ideia nos realmente bater à porta, recomendo a todos os coaches que se mantenham focados no desenvolvimento e excelência das suas competências de coaching e que não se acomodem, por forma a manterem-se na crista da onda, em vez de serem engolidos por ela!

*Maggie João é executive coach (PCC e EIA Senior Practitioner).

  • Maggie João

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Do RoboCop ao RoboCoach

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião