Estamos mesmo viciados no crédito (outra vez)

Há culpas do lado de quem empresta todo este dinheiro, sejam bancos ou financeiras. Mas também de quem pede. E estamos a fazer ouvidos moucos a todos os alertas.

Mês após mês, há milhões de euros em novos créditos para as famílias. São muitas centenas para a habitação, mas também cada vez mais para o consumo, uma evolução que tem feito soar alguns alarmes. É verdade que no saldo dos empréstimos para a compra de casa é ainda ligeiro o impacto, mas a tendência ascendente nos financiamentos para pagar as férias, mas também para comprar, desde eletrodomésticos a automóveis, é, de facto, preocupante.

Vamos aos números. Para a compra de casa estão a ser concedidos, em média, mais de 800 milhões de euros por mês, um valor que, todo somado, ascende aos 6,5 mil milhões no acumulado do ano, valor que pouco abalou o saldo global (que está ligeiramente acima dos 90 mil milhões), tendo em conta o ritmo de amortização dos empréstimos. Há um regresso ao que se pode considerar a normalidade no que respeita à habitação. Tradução: o hábito de comprar em vez de arrendar não mudou como a troika queria. Não há mercado para isso.

Este crédito, considerado claramente mais seguro para quem o concede tendo em conta que existe um bem que tem valor — e que até está a valorizar, veja-se os máximos consecutivos que estão a ser atingidos nos valores das casas –, volta a ser uma aposta por parte do setor financeiro mas, mesmo com maior risco, o financiamento ao consumo é, cada vez mais, “objeto de desejo”.

São 500, 600 milhões de euros de novos empréstimos para o consumo todos os meses. E, ao contrário do que acontece no caso da habitação, aqui o saldo sobe, sobe e continua a subir. Ao todo, vai já nos 15 mil milhões de euros, sendo preciso recuar ao ano da chegada da troika para encontrar um valor tão elevado. É uma fração do valor dos empréstimos para a compra de casa, mas está num patamar que exige ação.

Há culpas do lado de quem empresta todo este dinheiro, sejam bancos ou financeiras. Não nos podemos esquecer que onde há risco, normalmente há retornos potenciais. É que, com estes créditos, além de comissões, vêm juros que podem ser considerados elevados num contexto de taxa zero na Zona Euro. Ou seja, há dinheiro a ganhar. De outra forma, porque é que oito em cada dez dos novos intermediários financeiros querem dar este tipo de créditos?

Para este lado da barricada, não faltam alertas. Vêm de fora, seja do FMI ou da Comissão Europeia, mas também de dentro, seja do Governo — que vai aumentando os encargos associados a estes financiamentos através do agravamento do Imposto do Selo — ou do regulador do setor, o Banco de Portugal, que vai apresentando recomendações (que apesar de o serem, têm associadas sanções para quem não as cumprir).

E para o outro? Para o de quem pede? Vão-se repetindo alertas, mas parece que são feitos ouvidos moucos. E o dinheiro obtido por empréstimo continua a aumentar. Parece que voltámos a viver numa sociedade viciada em dinheiro emprestado que se esquece que todos estes euros, que são, na realidade, já centenas de milhares de milhão de euros, vão ter de ser pagos com juros que muito brevemente vão começar a voltar aos níveis pré-crise.

E este vício torna-se mais visível quando o Banco de Portugal revela que, apesar de estarem a diminuir as queixas dos clientes bancários, aumentaram de forma expressiva as reclamações associadas aos créditos. E que entre os fatores que levam os portugueses a pegarem na caneta para escreverem no livro de reclamações aos balcões de muitos instituições financeiras está a não concessão de crédito.

Haverá maior razão para alarme do que apresentar queixa porque não lhe emprestam o dinheiro que pretende? Bancos e financeiras têm todo o interesse em emprestar. É assim que fazem negócio, é desta forma que ganham dinheiro. Muito provavelmente, se não emprestam é porque quem o pediu não tem capacidade para obter esse financiamento. Muito provavelmente acabará numa situação de sobre-endividamento que o levará a incumprir com o pagamento das mensalidades. Onde é que já vimos este filme?

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Estamos mesmo viciados no crédito (outra vez)

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião