Há uma luz no fim do túnel… e o futuro?

  • Francisco Aventino Pinheiro
  • 22 Maio 2020

Mais do que nunca, deveremos apostar numa advocacia preventiva e de proximidade com o cliente. Devemos, também, guiá-los para apostarem em formações de futuro, na indústria do futuro e na saúde.

Haverá já uma luz ao fundo do túnel? No momento em que vos escrevo estas palavras, o Primeiro-Ministro de Portugal afirmou que existe uma luz ao fundo do túnel, mas que nós ainda não a vemos. Acredito que haverá uma luz ao fundo do túnel, mas o futuro trará desafios e dificuldades como até hoje nunca surgiram. É o Mundo que está em “lockdown” e a crise que se instalará em Portugal, em princípio, também se instalará no resto do Mundo. Não há livro de economia que preveja isto. Mas deixemos a economia aos economistas.

A nível jurídico, que impactos teremos no nosso dia-a-dia enquanto advogados? Uma situação é certa, as insolvências, processos de recuperação, incumprimentos contratuais, renegociações contratuais, resoluções, despedimentos coletivos, extinções de posto de trabalho, processos disciplinares, ações judiciais nos tribunais, execuções, divórcios, dívidas fiscais, incumprimentos dos requisitos do “lay-off simplicado”, criações de novas empresas, impugnações paulianas, processos crime, despejos, cobrança de dívidas e de honorários… vai tudo aumentar.

O teletrabalho passará a ser uma realidade ainda maior na nossa sociedade, com algumas empresas a perceberem, que lhes é vantajoso economicamente e produtivamente, ter os trabalhadores e colaboradores em teletrabalho.

O ensino à distância tornar-se-á, ainda mais, uma realidade plausível, com as instituições a apostarem fortemente nesta vertente.

Como advogados deveremos aproveitar estas oportunidades para nos modernizarmos e atualizarmos. No entanto, muitos clientes nos perguntarão que rumo tomar, que formação profissional efetuar, em que indústria apostar. Vão olhar para nós como um guia, um farol no meio do medo escuro em que se encontram.

Nestes novos desafios que se adivinham, temos de demonstrar que nós, advogados portugueses, para além, de advogados, juristas, psicólogos e padres, somos também gestores de negócios, empresários, economistas e futurologistas. Temos de lhes mostrar que existe uma saída, por mais dolorosa que seja, e que vamos conseguir ultrapassar esta situação.

Mais do que nunca, deveremos apostar numa advocacia preventiva e de proximidade com o cliente. Devemos, também, guiá-los para apostarem em formações de futuro, na indústria do futuro, nas novas tecnologias, na saúde, na investigação e desenvolvimento.

Há tempos, li uma suposta citação de um CEO alemão da “AutoEuropa”. Desconheço se é verdade ou não, ou se se trata de uma “fake news”, mas vou reproduzi-la, porque me identifico com a sua mensagem e creio que todo o português se identifica com o seu significado subliminar: “Toda a empresa deveria ter um Português dentro de uma redoma de vidro, com um aviso a dizer: Quebrar em caso de emergência.”

Havemos de ultrapassar, também, a crise que se adivinha, dela surgirão novas oportunidades, novos futuros e sairemos dela mais fortes e unidos do que nunca.

  • Francisco Aventino Pinheiro
  • Advogado da Aventino & Associados

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há uma luz no fim do túnel… e o futuro?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião