Hashtag Bali: A caderneta de cromos

No mundo do turismo digital, o hashtag veio suplantar o selo de património da UNESCO e move rebanhos gigantescos de seguidores ao Deus dará, com o poder do cajado de Moisés.

Depois da Malásia, Mami Pereira segue viagem para Bali.Mami Pereira

Panini chega para lá, no mundo do viajante digital, #Bali é a caderneta do momento. E sim, os cromos são todos repetidos!

Ele é arrobas de hashtags, vestidos flutuantes, drones, chapéus de palha, baloiços, smoothie bowls, posições de yoga, paus de selfie, macacos, malinhas de verga, clichés, maridos explorados e mulheres de trombas. Em Bali, há um antes e um depois do Instagram.

Longe vai o tempo do “Balinese Character”, o conhecido estudo antropológico, feito em 1942, que documentou a cultura balinesa através da análise fotográfica. Hoje a Ilha dos Deuses transformou-se num parque temático e a viagem, agora, é o que fica entre um click e um like. Voltem, antropólogos.

Vou na rua e os taxistas vêm oferecer-me a Instagram Tour, uma voltinha de 10 horas pelos spots mais pinteresticos (o neo-pitoresco à Pinterest). O rei é o arrozal verdejante em socalcos (baloiço, cesto ou ovo devem ser pagos à parte), depois vêm as cachoeiras (onde se tem tanto interesse em ficar dentro de água como a Pequena Sereia tinha) e, finalmente, os templos, que é como quem diz, as entradas dos templos (os motoristas guardam o nosso lugar na fila para a foto, o tempo de espera é uma hora e meia). Depois há os clássicos para as comissões, as quintas de café, onde se podem ver os luwaks, uma espécie de doninha que só come os melhores grãos de café e cujos excrementos dão origem ao café mais caro do mundo (Kopi Luwak), as danças tradicionais, as lojas de pintura batik e, por aí fora, até à aula de culinária na casa da família local.

Os balineses adaptaram-se rapidamente ao fenómeno e, sempre que veem alguém parar para a foto, fazem negócio. Os próprios taxistas já tiraram pós-graduação em fotografia de telemóvel e são eles que dão uma folga aos #instagramhusbands e dirigem artisticamente as modelos: “Smile, jump, stay, play dead, role over”.

Já o Wi-Fi está para os turistas como a espiritualidade está para os locais. Uma dependência de algo invisível mas omnipresente. Não há loja sem oferenda no exterior e sem Wi-Fi no interior. É para lá que vão todas as preces e todos os posts mas nem sempre foi assim.

Em 1972, a UNESCO criava o Comitê do Património Mundial para reconhecer e proteger sítios, monumentos e obras-primas e, durante quase cinquenta anos, espalhou pelo planeta selos de qualidade “must see”. Esta iniciativa não só subsidiava os protegidos como lhes trazia um público pagante e sensibilizado. E depois apareceram os millennials e trouxeram novos carateres para o velho abecedário.

Diz que o hashtag nasceu no Twitter, em 2007, como ferramenta organizadora de categorias e, desde então, já saiu das redes sociais para criar movimentos sociais. No mundo do turismo digital, o hashtag veio suplantar o selo de património da UNESCO e move rebanhos gigantescos de seguidores ao Deus dará, com o poder do cajado de Moisés. Como qualquer bússola, convém saber como está calibrada e/ou quem é que a calib….

“Miss, miss is your turn now, are you ready?
“Alright, Mr. Ketut, I’m ready for my close-up.”
Click!
#Bali

“Crónicas asiáticas” são impressões, detalhes e apontamentos de viagem da autora e viajante Mami Pereira. O ECO publica as melhores histórias da viagem à Ásia. Pode ir acompanhando todos os passos aqui e aqui. Leia ou releia também as “Crónicas africanas” e as “Crónicas indianas”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Hashtag Bali: A caderneta de cromos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião