Vai viajar? Chamadas em roaming vão custar no máximo 19 cêntimos por minuto

  • Lusa
  • 14 Novembro 2018

O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira um limite para os preços das chamadas e das mensagens de texto trocadas dentro da União Europeia.

O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira novas regras para o setor das telecomunicações, que contemplam um limite de preço para as chamadas dentro da União Europeia e a criação de um sistema obrigatório de alerta para emergências.

A nova legislação, que já havia sido acordada entre os negociadores do Parlamento e do Conselho (governos nacionais), e foi hoje aprovada pelo hemiciclo de Estrasburgo, promove também a implantação das redes 5G, facilita a mudança de operador, melhora a proteção dos utilizadores de serviços prestados através da Internet (como Skype e Whatsapp) e prevê medidas para salvaguardar a segurança, incluindo a encriptação.

Relativamente aos preços, a legislação revista introduz um limite máximo para o preço das chamadas intra-UE (entre Estados-membros), medida que complementa a abolição, em junho do ano passado, das sobretaxas de roaming. Assim, a partir de 15 de maio de 2019, o preço das chamadas móveis ou fixas efetuadas do país de residência do consumidor para outro país da UE será limitado a 19 cêntimos por minuto, enquanto o limite máximo para as mensagens de texto (SMS) no interior da UE será de seis cêntimos por mensagem.

Outra novidade da reforma é a criação de um sistema de alerta ao público em caso de grandes emergências e catástrofes iminentes ou em curso, como catástrofes naturais ou atentados terroristas, que passará a ser obrigatória em todos os Estados-Membros.

De acordo com a nova legislação, todos os países da UE terão de criar um sistema para enviar alertas por telemóvel ou aplicação móvel aos cidadãos que se encontrem nas áreas geográficas potencialmente afetadas, devendo o mesmo entrar em funcionamento o mais tardar três anos e meio após a entrada em vigor da diretiva que estabelece o Código Europeu das Comunicações Eletrónicas. Por outro lado, os Estados-membros deverão disponibilizar novas bandas de frequência para as redes 5G, que permitirão ter ligações mais rápidas à Internet e uma maior conectividade em toda a Europa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vai viajar? Chamadas em roaming vão custar no máximo 19 cêntimos por minuto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião