Lay-off complicado?

  • Carla Naia
  • 15 Abril 2020

Percebe-se, agora, sem sombra de dúvida, neste momento extraordinário, que empregadores e trabalhadores estão (também aqui) unidos num mote comum que é o da sobrevivência da empresa.

Muito se tem falado nas últimas semanas do “Lay-off”. Trata-se de um estrangeirismo usado para descrever a possibilidade da empresa que se encontra numa situação económica difícil, assegurar a sua viabilidade e a manutenção dos postos de trabalho, por recurso à suspensão ou redução dos contratos de trabalho. Ora, esse instrumento de viabilização das empresas e de salvaguarda dos postos de trabalho (saliente-se) já existe, no nosso ordenamento jurídico, desde o Decreto-Lei 398/83, de 2 de novembro, condensando o que já havia sido previsto no Decreto-Lei 353-H/77, de 29 de agosto (para as empresas declaradas em situação económica difícil) e no Decreto-Lei 230/79, de 23 de julho (para as empresas atingidas por catástrofes ou outras ocorrências graves). Não é, por isso, uma novidade tal figura cujas raízes históricas remontam ao período pós revolução.

Todavia, talvez nunca, como agora, se revelou tão importante fazer apelo aos princípios orientadores do direito do trabalho que, definitivamente, deixou de ser “o galho do direito”, como o ouvi, nas aulas da faculdade, do meu brilhante Professor Doutor Júlio Gomes. Percebe-se, agora, sem sombra de dúvida, neste momento extraordinário, que empregadores e trabalhadores estão (também aqui) unidos num mote comum que é o da sobrevivência da empresa. E afirmo isto, não com a ingenuidade que alguns mais céticos possam apontar, mas com a firme convicção de que o direito do trabalho existe para firmar esse propósito, consagrando direitos e garantias de uns e de outros, sem esquecer que a parte mais fraca, nesta relação desnivelada é, sem falsos moralismos, o trabalhador.

Mas é precisamente essa a característica deste ramo do direito que parte da assunção de que as partes não se encontram numa normal relação civil, existe um desnivelamento e, por isso, uma proteção acrescida do trabalhador. Não é hipócrita nem ingénuo, é justo. E, também, por ser esse o cerne do nosso ordenamento jurídico-laboral, existem normas específicas para os cargos diretivos em que o legislador reconhece (poder) existir liberdade negocial.

De volta ao lay-off “simplificado” (ou complicado?) é com tristeza que observo o desnorte do atual panorama legislativo e interpretativo, onde as fontes do direito deixaram de ser as normas jurídicas (e o seu incontornável elemento histórico, como suporte da Interpretação) e passaram a ser os telejornais, os jornais e até os comentadores desportivos que sobre este tema opinam, quanto aos fundamentos, requisitos e pressupostos.

Sejamos sérios e tratemos com seriedade tão grave cenário que afeta tantas famílias não só de trabalhadores, como de empregadores, profissionais independentes, pequenos empresários. O Estado que cumpra o seu papel de lançar legislação de qualidade, suportada nos princípios do nosso ordenamento, adequados a este cenário, de exceção. Que existam nos sites das autoridades oficiais (DGERT, Segurança Social) esclarecimentos claros, consistentes e conscientes do que é a nossa realidade empresarial e laboral. Todos os cidadãos a isso têm direito e é uma questão de cidadania e de civilidade tal verificar-se, muito mais, agora.

Talvez nunca, como hoje, me seja tão difícil ser advogada. Pois o nosso papel, como o vejo, é o de apontar soluções, implementar estratégias adequadas à realidade (complexa porque diversa) de cada cliente de forma séria, consistente e adequada aos princípios do direito. Não o dos telejornais ou dos jornais, como vem acontecendo. Sejamos sérios e responsáveis. Todos e por todos. A começar pelo Estado que, aqui, nos (des)regula.

Carla Naia – Advogada Especialista em Direito do Trabalho da Cerejeira Namora Marinho Falcão

  • Carla Naia
  • Advogada especialista em direito do trabalho da Cerejeira Namora Marinho Falcão

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lay-off complicado?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião