Novo paradigma de teletrabalho, acrescidos desafios à proteção de dados

  • Ricardo Henriques
  • 22 Abril 2020

Todas estas transformações que alteram o paradigma habitual da prestação de trabalho exigem das organizações portuguesas uma adaptação rápida às particularidades dos novos tempos.

A pandemia da doença Covid-19, bem como as medidas restritivas adotadas pelas autoridades competentes por forma a combater a sua propagação, resultaram na implementação de novas formas de trabalho e de comunicação, designadamente através do recurso ao teletrabalho e a tecnologias de informação e comunicação à distância, nos mais diversos setores de atividade do nosso País.

O recurso em massa a tais tecnologias de informação e comunicação à distância acarreta desafios específicos e impõe às organizações, em particular às empresas e aos estabelecimentos de ensino, a necessidade de assegurar a confidencialidade da sua informação, a proteção de eventuais segredos de negócio e a privacidade, incluindo a segurança dos dados pessoais, de todos os intervenientes.

Neste âmbito, tem-se assistido a um aumento exponencial do consumo do tráfego de dados de comunicações eletrónicas que não está isento de problemas, de entre os quais destacam-se os problemas de segurança e privacidade de plataformas de comunicação à distância, com a consequente disponibilização pública e online de conteúdos multimédia e interativos e de credenciais de acesso às referidas plataformas, incluindo a respetiva venda.

De modo a evitar acessos indevidos a tais plataformas e a proteger a privacidade dos utilizadores, incluindo as suas imagens e ambiente envolvente, voz e documentos/suportes que incluam dados pessoais, a CNPD emitiu um conjunto de orientações dirigido à comunidade educativa e, em especial, aos responsáveis pelo tratamento dos dados pessoais e subcontratantes, sobre a utilização de tecnologias de suporte ao ensino não presencial (e-learning) que poderão ser, facilmente, estendidas a outras vertentes de negócio.

Posto isto, aquando da adoção destas plataformas, as empresas deverão realizar avaliações de impacto sobre a proteção dos dados pessoais, de modo a identificarem os riscos para a privacidade dos utilizadores e a adotarem eventuais medidas de prevenção que poderão abranger a alteração de configurações predeterminadas das plataformas, garantindo um maior controlo de acessos e participações, a leitura cuidada e atenta das Políticas de Privacidade e Termos e Condições das mesmas e, ainda, a implementação de medidas internas que restrinjam a possibilidade de divulgação de informação confidencial e segredos comerciais, tais como a elaboração de circulares e/ou informações expressamente dirigidas aos trabalhadores e colaboradores ou de aditamentos aos regulamentos internos das próprias empresas, proibindo a partilha e discussão de informações confidenciais e segredos de negócio nas plataformas de comunicação à distância.

Intrinsecamente ligado à utilização crescente das plataformas de comunicação à distância, fruto da adoção obrigatória do regime de teletrabalho imposta na sequência da declaração do estado de emergência em Portugal, surge o aproveitamento, por parte de algumas empresas, da utilização dos instrumentos de trabalho dos seus trabalhadores para, não raras vezes e através dos mesmos, controlar a atividade e o desempenho dos trabalhadores.

A CNPD, consciente dos diversos desafios que a atual conjuntura coloca para a privacidade dos trabalhadores, emitiu novas orientações, desta feita sobre o controlo à distância de trabalhadores em regime de teletrabalho.

Nas referidas orientações, a autoridade nacional de controlo de dados pessoais reiterou a aplicabilidade da proibição de utilização de softwares que controlem o desempenho profissional dos trabalhadores em teletrabalho, por exemplo, as tecnologias que permitem rastrear o tempo de trabalho e de inatividade, o histórico de navegação do trabalhador e os documentos de trabalho em tempo real. Também, a CNPD pugnou pela inadmissibilidade da ligação permanente de câmaras de vídeo, por ser manifestamente excessiva e violar diversos princípios de proteção de dados.

Não obstante, é permitida a adoção de mecanismos alternativos de registo de tempos de trabalho e de controlo da atividade do trabalhador para além da possibilidade de visita do empregador ao domicílio do trabalhador, de acordo com os limites previstos na lei.

Todas estas transformações que alteram o paradigma habitual da prestação de trabalho exigem das organizações portuguesas uma adaptação rápida às particularidades dos novos tempos, promovendo uma cultura crescente de compliance em matérias de privacidade e de segurança, própria de um sistema de responsabilização (accountability) das próprias organizações, uma vez que recai sobre as mesmas o dever de assegurar o cumprimento das disposições em matéria de proteção de dados, evitando, assim, a “mão pesada” da CNPD em matéria contraordenacional.

  • Ricardo Henriques
  • Sócio da Abreu Advogados

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo paradigma de teletrabalho, acrescidos desafios à proteção de dados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião