O atraso português: será que a culpa é da cultura?

Será que o atraso português é resultado de questões culturais? Não pode ser essa, de forma alguma, a principal explicação para o atraso económico relativamente a outras nações.

Uma das “teorias” mais frequentemente difundidas sobre a causa dos males de Portugal passa por atribuir o essencial das culpas a razões de ordem cultural. Estou aqui a definir “cultura” num sentido lato, socio-antropológico, enquanto conjunto de conhecimentos, crenças, valores, normas e comportamentos específicos a um grupo, comunidade ou povo. Ou seja, os portugueses seriam preguiçosos, não respeitariam as instituições, seriam corruptos por natureza, e por aí em diante, o que explicaria boa parte dos problemas que estão na origem do seu atraso. Toda a gente já ouviu teorias desta natureza que prometem explicar o atraso económico português.

Esta “teoria” levanta, no entanto, algumas questões difíceis de resolver, sendo uma delas que não toma suficientemente em consideração o facto de os traços culturais de um povo terem tendência a mudar a longo prazo.

Ora, como vimos em anterior artigo, o atraso de Portugal é, essencialmente, resultado de um processo relativamente recente que decorreu ao longo do século XIX, apesar das causas poderem vir de trás e já se notar um abrandamento a partir de meados do XVIII. A partir de meados do século XX a economia Portuguesa teve (até 2000) um desempenho espetacular; mas é difícil identificar uma mudança cultural clara que tenha levado a isso.

Que fatores mais influenciam, então, o desempenho e a evolução económica de um país? Vejamos um exemplo bastante elucidativo. Na cadeira de Economia de Desenvolvimento que tenho lecionado em várias universidades, mostro sempre aos alunos a imagem seguinte e pergunto se sabem do que se trata:

coreia
Por vezes, alguém diz: É a Coreia.

De facto, é uma fotografia de satélite da península da Coreia, vista do espaço, à noite. É uma imagem usada por alguns economistas da área de desenvolvimento, porque ilustra bastante bem as consequências do funcionamento de diferentes instituições políticas e económicas num quadro em que, do ponto de vista cultural, o povo é o mesmo.

Até à divisão efetuada no início da década de 1950, as Coreias do Norte e do Sul constituíram, durante séculos, um único país, com um riquíssimo passado comum: para todos os efeitos, é só um povo, que fala a mesma língua, e possui a mesma história e a mesma cultura.

A divisão política destes países nos últimos anos permite controlar a importância destes fatores genéticos e culturais, uma vez que apenas as instituições políticas, económicas e sociais passaram a ser diferentes.

A este propósito, sobre a forma como as imagens de satélite podem revelar diferenças significativas de caráter económico entre países e regiões, é interessante consultar um dos artigos mais interessantes publicados nos últimos anos acerca da medição do crescimento económico, “Medindo o crescimento económico através do Espaço”.

Como se pode observar na imagem acima apresentada, o resultado de uma divergência que tem pouco mais de meio século é espantoso. Note-se que a Coreia do Norte até partiu em situação de vantagem (a capital política era lá, para além de possuir muito mais recursos naturais), mas a divergência económica não poderia ter sido maior.

A Coreia do Norte é hoje um dos países mais pobres do mundo, enquanto a Coreia do Sul é um dos mais ricos: o PIB por pessoa já ultrapassou o da França, tendo partido de uma situação de pobreza extrema há pouco mais de 60 anos, quando acabou a guerra civil!

Não estou a dizer com isto que os fatores culturais não tenham a sua importância. É evidente que têm. Alguns trabalhos de investigação recentes mostram que os seus efeitos, em muitos casos, não podem nem devem ser menosprezados. Voltaremos a este tema numa próxima oportunidade.

Mas, com as situações concretas discutidas atrás, gostaria de colocar em questão, pelo menos para já, a ideia demasiado simplista, infelizmente muito vulgarizada, segundo a qual a “cultura” de um povo constitui a razão de ser essencial do desempenho económico de um país.

No caso de Portugal, não pode ser essa, de forma alguma, a principal explicação para o seu atraso económico relativamente a outras nações. Isto é verdade tanto no que respeita ao processo desenvolvido ao longo do século XIX, como no que concerne aos problemas atuais. Há que encontrar outras explicações.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O atraso português: será que a culpa é da cultura?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião