Os segundos… a contar do fim

Portugal é o penúltimo da União Europeia a lançar o 5G - ou o segundo a contar do fim. O lançamento da tecnologia não correu bem, mas o setor tem agora uma oportunidade para se redimir.

Portugal entrou na quinta geração móvel. Na sexta-feira passada, a Nos recebeu da Anacom as primeiras licenças e disponibilizou o 5G aos clientes de um dos tarifários mais caros. Depois foi a Vodafone, que seguiu uma estratégia diferente, abrindo a rede 5G a todos os clientes numa primeira “fase experimental” até 31 de janeiro.

Alguns portugueses com telemóveis mais modernos já veem a inscrição “5G” no canto superior direito do ecrã. Para os realistas, somos os penúltimos da União Europeia a ter a tecnologia. Para os mais otimistas, somos os segundos a contar do fim.

Importa agora fazer três apontamentos. Desde logo, foi notório o esforço da Nos para chegar primeiro à era do 5G, um estatuto que passa uma mensagem clara ao mercado. Miguel Almeida está a tentar posicionar a operadora como líder de mercado neste segmento.

O segundo tem a ver com a Meo. A empresa é, ao dia de hoje, a única que ainda não tem licença da Anacom para lançar o 5G. Não é “vingança” do regulador contra um dos seus principais críticos. A empresa liderada por Alexandre Fonseca ainda não pagou as licenças. Ao que o ECO apurou, deverá fazê-lo nos próximos dias, mas que é estranho, lá isso é.

O terceiro apontamento é que as três principais operadoras estão a seguir estratégias diferentes. A da Nos e a da Vodafone como acima elencado, e a da Meo, que já está a vender o acesso ao 5G por 30 euros por ano, a somar à mensalidade do tarifário. Um dos objetivos da Anacom com o leilão de frequências era aumentar a concorrência no mercado das telecomunicações móveis. Veremos se é alcançado.

(Entretanto, já depois de escrever este artigo, a Nos disponibilizou o 5G a todos os clientes até 31 de janeiro, seguindo uma estratégia parecida à da Vodafone.)

Portugal “escapou” ao último lugar do 5G, que será ocupado pela Lituânia. Agora que entrámos na quinta geração, é tempo de pôr este (longo) processo para trás das costas e assegurar que o 5G chega mesmo aos consumidores e às empresas. O setor, onde incluo Anacom, Governo e empresas, não esteve bem na fase de lançamento. Esta fase de desenvolvimento é a oportunidade certa para se redimir.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Os segundos… a contar do fim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião