Pandemia rima com empatia?

  • Ana Maçãs
  • 3 Junho 2020

A empatia é a nossa capacidade de “calçar os sapatos do outro”: quando o fazemos não só sentimos o que o outro sente, como também pensamos e percecionamos o mundo como ele.

Embora a palavra empatia esteja na moda, seja usada frequentemente por todos nós, será que sabemos realmente o que significa? Acho que não.

A empatia é a nossa capacidade de “calçar os sapatos do outro”: quando o fazemos não só sentimos o que o outro sente, como também pensamos e percecionamos o mundo como ele.

Todos nós criamos empatia, de uma forma inconsciente, naqueles em quem a nossa mente reconhece pontos em comum. Por aqueles que são como nós somos ou são como nós gostaríamos de ser. Isto é um processo automático e inconsciente. Mas como criar empatia com os outros que são diferentes?

Sentir, pensar, percecionar como o outro não é algo fácil de se conseguir mas é uma competência que se desenvolve. Para o conseguir temos de desenvolver a capacidade de nos posicionarmos no lugar do outro para compreendermos a sua realidade interna e externa, independentemente da pessoa, e de estarmos ou não de acordo com ela.

Estar em empatia é mergulhar no outro e perceber a forma como a realidade faz sentido para ela. A melhor maneira de fazer este mergulho, de nadar neste mar imenso que é o outro, é estar realmente interessado e curioso por perceber o seu ponto de vista. Para o conseguirmos fazer existem alguns pressupostos que temos de ter em conta.

  • Ter, verdadeiramente, paciência para ouvir o outro.
  • Ter a capacidade de suspender o nosso ego, ou seja, suspender as nossas necessidades e perceções para mergulhar nas necessidades e perceções do outro. Na verdade, é um ato de amor e de respeito pelo outro, por quem ele é, pela forma como pensa, sente e vê o mundo.

E com isto não estou a dizer que eu tenho de deixar de ser quem sou, de deixar de pensar, sentir, ver e percecionar de certa forma. Não é isso. Simplesmente tenho de ter genuíno interesse pelo outro e aceitar a diferença.

Se criar empatia com todo o tipo de pessoas já é difícil, em tempos de pandemia esta dificuldade cresceu bastante. Ao vivermos momentos de mudança e medo, em que temos de nos adaptar a uma nova realidade, a nossa mente é invadida, e parece que todas as conquistas que fizemos ao longo de séculos para aceitar as diferentes formas de pensar caíram por terra.

De repente começamos a ouvir críticas duríssimas a quem ousa comportar-se ou agir de forma diferente. Como se tirasse a liberdade ao outro de percecionar os perigos de forma diferente. Todos nós podemos tentar influenciar os outros, mas não podemos mandar na forma como ele perceciona a realidade à sua volta.

Esta é, sem dúvida, a altura certa para relembrar os conceitos básicos de empatia. Todos nós deveríamos estar realmente interessados em perceber o porquê de o outro se comportar de outra forma. Na empatia existe uma aceitação e um respeito pelo outro e pela sua perceção da realidade, o que implica uma atitude de não julgamento. Não podemos, só porque estamos todos num processo de adaptação, deitar por terra todo um conjunto de conquistas que demoramos anos a alcançar.

Estamos todos a ser invadidos por comentários muito agressivos em relação àqueles que ousam agir de forma diferente. Ou porque não usam máscara na rua, ou porque foram à praia, os exemplos são muitos. O que demonstra uma total falta de empatia pelo outro. Não precisamos de deixar de fazer o que achamos correto, mas podemos e devemos tentar perceber de que forma o outro pensa e sente esta realidade para agir da forma que age. E isto é empatia.

Se não conseguimos influenciar os outros quando não estamos em empatia com eles, mais do que nunca não deveríamos descuidar-nos deste aspeto.

As relações são dinâmicas: quando mudas um dos lados do sistema as outras partes em resposta a isso também mudam numa tentativa de restabelecer o equilíbrio. Por isso, quando queremos mudar algo no outro, primeiro temos de mudar algo em nós.

  • Ana Maçãs

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia rima com empatia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião