Por um Simplex nos incentivos financeiros às empresas

É necessária uma simplificação radical nos sistemas de incentivos a apoiar pelos FEEI no PT2030, que assegure a passagem de uma lógica de verificação ex ante para uma lógica de fiscalização ex post.

Os incentivos financeiros de apoio ao investimento empresarial têm um papel fundamental na competitividade da economia europeia, razão pela qual possuem e continuarão a possuir uma enorme relevância nas políticas da UE, dos países que a integram e das suas regiões.

Fruto de uma regulação cada vez mais apertada dos Auxílios de Estado, a conceção de incentivos está sujeita hoje a uma enorme carga burocrática, fortemente penalizadora das empresas beneficiárias e condições necessárias à sua operacionalização.

Não é, pois, por acaso que, em Portugal, uma parte expressiva das empresas beneficiárias dos sistemas de incentivos do Portugal 2020 considera que a carga burocrática que lhes está associada continua a ser uma limitação importante, infelizmente sem melhorias assinaláveis face ao QREN.

Consciente deste problema, a Comissão Europeia propõe uma simplificação geral das regras de acesso a apoios para o novo período de programação 2021‑2027, reduzindo para metade o volume do quadro regulamentar anterior. Para o efeito, o novo quadro regulamentar pretende promover mais a utilização de opções de custos simplificadas, podendo as empresas obter o reembolso das despesas sem terem de apresentar todas as faturas ou recibos de vencimento ou com base nos resultados obtidos. Pretende também promover auditorias e controlos mais proporcionais: para os programas de financiamento da UE com menor risco, a Comissão Europeia propõe um sistema de controlo mais simples, com base em procedimentos nacionais adequados, alargando também o princípio da “auditoria única”.

No caso português, tendo em vista o próximo quadro de Fundos Europeus Estruturais e de Investimento, o IAPMEI desencadeou recentemente um processo de consulta pública para simplificar os sistemas de incentivos às empresas no pós-2020, recolhendo junto do tecido empresarial e de outros stakeholders relevantes, informações que permitam identificar oportunidades de melhoria e simplificação no acesso e na utilização dos apoios financeiros às empresas. O objetivo desta iniciativa meritória é tornar o processo de gestão de projetos de investimento mais amigável e acessível às empresas, atuando preventivamente ao nível do cumprimento de obrigações legais e reduzindo os custos de contexto na utilização dos incentivos.

Na Avaliação à Implementação dos Sistemas de Incentivos do PORTUGAL 2020 que a EY está presentemente a ultimar para a Agência para o Desenvolvimento e Coesão (AD&C), este tema também assume uma grande relevância, avançando-se várias recomendações de simplificação, umas mais incrementais e outras mais radicais.

Mas, em termos substantivos, o que verdadeiramente é necessário é um “Simplex” nos futuros sistemas de incentivos a apoiar pelos FEEI no próximo período de programação, aproximando-os por essa via do modelo de apoios atualmente em vigor no Horizonte 2020 (passagem de uma lógica de verificação ex ante para uma lógica de fiscalização ex post, assente nas realizações e nos resultados, com forte responsabilização dos promotores apoiados).

Claro está que isso irá esbarrar com as regras de Auxílios de Estado vigentes na UE, sempre fortemente limitadoras dos processos de simplificação, em contraponto às formas de conceção de apoios de âmbito europeu muito mais simplificadas, como é o caso dos Programas Europeus ou dos financiamentos assegurados pelo Banco Europeu de Investimento (BEI).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Por um Simplex nos incentivos financeiros às empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião