Indústria têxtil nacional unida lança campanha “Zona Industrial”

Inserida na estratégia ModaPortugal, campanha representa investimento de 250 mil euros até ao final do ano. Quer dar a conhecer setor têxtil de ponta e cada vez mais sustentável.

É a primeira vez que cinco empresas se juntam para desenvolver a estratégia ModaPortugal.Mariana de Araújo Barbosa/ECO

Cinco das maiores empresas têxteis nacionais — Calvelex, Paulo de Oliveira, Polopique, Riopele e Twintex — juntaram-se numa campanha inédita para divulgar, a nível mundial, a indústria portuguesa do setor naquilo que esta “tem de melhor”, desenvolvida pelo CENIT – Centro de Inteligência Têxtil em parceria com a ANIVEC – Associação Nacional das Indústrias de Vestuário, Confeção e Moda. A ideia é que, de forma concertada, se dê a conhecer ao mundo a indústria têxtil portuguesa, salvaguardando indicadores como a tecnologia, a sustentabilidade e o profissionalismo.

“É mais um projeto de divulgação do que se faz de bem em Portugal no setor do têxtil e do vestuário”, afirma Luís Hall Figueiredo, administrador do CENIT.

“A campanha começa para dar a conhecer a tecnologia que está associada ao vestuário e como nos modernizámos nos últimos anos, no setor”, detalha o responsável, acrescentando que a escolha da cidade-luz para o lançamento da campanha não foi um acaso. “Paris é uma referência na moda. Tem e continua a ter esse fascínio. E por outro lado, temos tido algum apoio de entidades como o Aicep. Juntam-se as duas coisas”, justifica Luís Figueiredo.

Integrada na estratégia ModaPortugal, a campanha fotografada e gravada em ambiente de fábrica mostra modelos em contacto direto com a produção têxtil industrial nas fábricas das cinco empresas parceiras. Apresentada na noite de segunda-feira, em Paris — aproveitando a semana da moda da cidade –, a campanha será lançada esta quarta-feira a nível internacional e divulgada, a nível digital, num investimento de cerca de 250 mil euros até ao final do ano. A iniciativa é cofinanciada pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização do Portugal 2020.

“Cinco das maiores empresas portuguesas, que são motores do setor, vieram dar uma ideia aqui a Paris, o centro do mundo da moda, daquilo que realmente está a acontecer — do que o país está a fazer em termos de tecnologia e que nos leva a ir conquistando os clientes um pouco por todo o mundo”, acrescenta Luís Figueiredo, sublinhando ainda: “Tudo o que se vai passar agora vai conseguir concentrar o interesse e a maneira como Portugal está a trabalhar”.

Esta é a primeira vez que empresas do setor têxtil se associam para, juntas, trabalharem a estratégia ModaPortugal, com o objetivo de afirmarem o país como “parceiro de excelência na produção mundial de moda”, refere a organização em comunicado. O lançamento da campanha “Portugal Industrial” foi feito na Galerie Nikki Diana Marquardt, no bairro de Marais, em Paris, e contou com uma instalação artística de Miguel Flor, um jantar com assinarura do chef Pedro Lemos (estrela Michelin) e de duas performances do artista Conan Osíris.

O ecossistema da indústria têxtil nacional conta com uma rede de mais de 5.000 empresas e empresa cerca de 120.000 trabalhadores. “Estes factos, associados à reconhecida qualidade, seriedade e fiabilidade no serviço prestado, complementados com a mais avançada tecnologia, posicionam a indústria da moda portuguesa como uma referência no mundo e no desenvolvimento social para o século XXI”, assinala o CENIT.

A campanha editorial promocional arranca a 1 de outubro com um plano de inserções publicitárias nas principais revistas do setor, em diferentes meios digitais (redes sociais e websites) e na comunicação das principais feiras internacionais. A ação prossegue depois: o objetivo é convidar entre 20 a 25 jornalistas internacionais para visitarem pontos da indústria têxtil nacional, até ao final deste ano, uma maneira de “trazer a fábrica ao consumo” depois de trazer “a indústria à semana da moda” de Paris.

* A jornalista viajou a Paris a convite do CENIT.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indústria têxtil nacional unida lança campanha “Zona Industrial”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião