HUUB investe dois milhões para criar “Amazon da moda”

Investimento até 2020 tem como objetivo escalar a plataforma através de um plano de desenvolvimento tecnológico. Startup portuguesa quer reforçar equipa com contratação de 30 pessoas.

A HUUB quer continuar a crescer e, para construir a “Amazon do mundo da moda”, vai investir dois milhões de euros até 2020 para alargar a equipa e reforçar parcerias junto da Google e da Amazon, anunciou a empresa em comunicado.

A startup portuguesa prevê contratar 30 pessoas, não só para a área de engenharia em posições como software engineers, Frontend e Backend engineers, mas também nos verticais de produto, com posições abertas para product managers, da infraestrutura dos dados com data engineers, e ainda reforçar o braço de inteligência artificial com data scientists.

O anúncio surge na sequência do anúncio da ronda de financiamento de 1,5 milhões de euros realizada pela gigante de logística Maersk, concluindo a fase de investimento seed, com um total de 4,35 milhões angariados.

“O desafio passa por colocar todo o talento dos atuais e futuros colaboradores alocado aos serviços core da empresa, permitindo às equipas um contacto e influência direta nos vários produtos tecnológicos que integram o Spoke, plataforma de gestão de cadeia de abastecimento fashion criada pela startup”, detalha a empresa em comunicado.

Tiago Paiva, Pedro Santos, Tiago Craveiro e Luís Roque, cofundadores da HUUB.HUUB

A HUUB está agora focada no desenvolvimento do conceito de plataforma assente em produtos tecnológicos ligados mas independentes entre si, graças à implementação de uma arquitetura de micro serviços que vai permitir à empresa escalar a solução. “Aliado aos desenvolvimentos próprios da plataforma, a startup vai também alargar a sua rede de integrações que já conta neste momento com players como o Shopify ou a Maersk, e assim dar resposta às necessidades das suas marcas de moda desde a produção ao envio final”, explica ainda a startup em comunicado para, “desta forma, centralizar e gerir a totalidade do fluxo físico e de dados, com o objetivo de otimizar todos os processos e acelerar o crescimento”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

HUUB investe dois milhões para criar “Amazon da moda”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião