Quénia de quem?

Quis o destino que o nosso encontro estivesse marcado para o meu último dia de África e não para o primeiro. E isso fez toda a diferença.

Mami Pereira

Eu quis vir ao Quénia por causa da Karen, do livro, do filme e da música. Mas quis o destino que o nosso encontro estivesse marcado para o meu último dia de África e não para o primeiro. E isso fez toda a diferença.

A Karen teve uma quinta em África, eu estive em África na última quinta. Sobrevoámos o Quénia de avioneta, ela cheia de emoção, eu cheia de Atarax. Ambas gostamos de café, aventureiros de olhos claros e kikuyus. E se não contarmos com o facto de ela ser dinamarquesa e ter tido sífilis e eu ser portuguesa e ainda não ter obra publicada, então há muito pouca coisa em que não sejamos almas gémeas. E África claro. Ambas adoramos África!

Aliás, depois de quatro meses a gastar dinheiro em África. Posso quase dizer que amo África. E mais dinheiro tivesse, mais de África gostava. Agora, gostar de África, sem dinheiro, aí é que está o desafio.

Ora pensem, o melhor restaurante do mundo não é a mesma coisa para o cliente e para o tipo que lava os pratos. África também não. Depois de quatro paradisíacos meses em quatro incríveis países, é muito difícil dizer que África é só linda, é só elefante na savana, é só marisco barato, só pôr-do-sol de encomenda.

É muito fácil adorar a minha empregada (“dá-me tanto jeito, é tão asseadinha e nem sequer me rouba”) mas… e gostar da pessoa além da função? E gostar de África além do cenário, além do serviço, além da ficção? Aí é que mora a questão.

A Karen, como qualquer pessoa que tenha vivido ou visitado África “à patrão”, viveu uma fantasia. Quando se faz isto por uma semana fica-se com a doce e ingénua ideia que África é mesmo assim, aquele pedaço de céu entregue às mais preguiçosas criaturas. Mas quanto mais tempo de estrada se tem, especialmente se for naqueles chapas em decomposição, como é que se fala de África com pretensão, pertença ou possessão?

A Karen não teve uma quinta em África. Ela foi hóspede de um pequeno condado com o mesmo nome, hoje transformado numa espécie de Quinta da Marinha de Nairobi, a uma simpática hora de trânsito da maior favela de África. Felizmente, as pessoas que vivem em Karen vão ter o mesmo tipo de saudades de África que eu e a Karen temos. Os da favela? Não.

Quem gosta de girafas pode viver com elas no espectacular Giraffe Manor, quem gosta, sem cifrões, pode roubar-lhes um beijo no Giraffe Center. Por mais umas notas, pode fazer-se o mesmo com elefantes no orfanato do David Sheldrick. Quem só tiver um dia para ir ao Quénia pode mesmo fazer um safari no Parque da própria cidade. Quem já fez tudo, pode fazer como eu e ir ver a casa da Karen.

O problema é que quando lá cheguei não vi África nenhuma. Nem dela, nem de ninguém. Ali estava o relógio de cuco suíço, a grafonola com o Mozart austríaco, o chá inglês, os livros em dinamarquês, a comida europeia e a mobília importada. E tudo aquilo me fez sentir (pela milionésima vez vezes 120 dias) estrangeira em África, mais uma estrangeira fascinada por um continente tão de si diferente que não devia caber numa palavra. E percebi porque é que ela chamou ao livro Out of Africa, que em nada se traduz por África Minha. Porque, por mais que a queiramos, não é nossa, nem no sonho. Nunca há de ser. E isso sim, é o final feliz!

Leia todas as Crónicas africanas aqui.

Crónicas africanas são impressões, detalhes e apontamentos de viagem da autora e viajante Mami Pereira. Durante quatro meses, o ECO publicou as melhores histórias da viagem. Pode continuar a acompanhar as viagens aqui e aqui.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quénia de quem?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião