Vai viajar? Os profissionais das viagens de negócios têm 6 conselhos para si

  • ECO
  • 15 Novembro 2016

Poupe tempo e dinheiro, mantenha-se saudável e não se esqueça dos itens indispensáveis. Os conselhos de quem passa a vida a viajar.

Se não tem experiência com viagens de negócios, é provável que todo o processo seja stressante quando tiver de as fazer pela primeira vez. Felizmente para si, há pessoas que já são verdadeiras profissionais das viagens de negócios. E falaram com o Business Insider para lhe deixar seis conselhos práticos.

Leve a bagagem consigo sempre que possível

O objetivo das viagens de negócios é poupar o máximo de tempo que conseguir. E uma das melhores formas de fazê-lo é evitar fazer o check in das bagagens sempre que isso for possível. Se levar apenas bagagem que pode carregar consigo durante o voo, evita o risco de perdê-la. E como é que consegue enfiar tudo numa bagagem pequena? Comece por deixar coisas em casa, escreve o Business Insider. Lembre-se que só precisa de algumas mudas de roupa, a não ser que vá para uma zona extremamente remota”.

Pague mais por ligações diretas

Sim, escolher a oferta mais barata é tentador. Mas a opção mais barata não é sempre a melhor. Especialmente, se significar que vai ter de fazer escala em Pequim para ir de Lisboa a Berlim. Não é só o tempo de viagem que aumenta; é também o risco de perder as bagagens, se não tiver seguido o conselho anterior.

Faça o check in online

A única certeza que pode ter é que há sempre imprevistos. Do alarme que não tocou ao trânsito que está particularmente infernal no dia em que tem um avião para apanhar, passando por filas intermináveis para passar pela segurança. Se pode acelerar um dos processos — o check in — faça-o. Ainda antes de sair de casa.

Leve sempre estes itens na mala

Todos aqueles que viajam regularmente levam consigo alguns itens indispensáveis. Um carregador de telemóvel portátil é, definitivamente, um deles. Um menos provável é uma bola de ténis. Não adivinha? É perfeita para fazer rebolar debaixo dos pés, ou mesmo das coxas, para evitar ficar dorido de tantas horas sentado.

Mate os germes

Aeroportos, hotéis, táxis: ambientes perfeitos para a propagação de germes. Ficar doente numa viagem de negócios não é nada conveniente. Por isso, leve sempre consigo três produtos: anticético para as mãos, toalhetes antibaterianos e bacitracina.

Tente negociar com as empresas de rent a car

Se vai alugar um carro, considere não pedir o mais económico de todos. Primeiro, porque há uma grande diferença de conforto entre carros compactos e premium. Depois, porque a imagem que passa aos clientes também importa. Isso é tudo muito bonito, mas e o preço? Negoceie. O primeiro preço que as empresas lhe apresentarem nunca é a melhor oferta que têm disponível.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vai viajar? Os profissionais das viagens de negócios têm 6 conselhos para si

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião