Musk vai cobrar menos de 200 mil euros por viagem a Marte

Elon Musk apresentou mais detalhes sobre a empresa SpaceX, fundada em 2002. A ideia não é só visitar mas colonizar Marte.

Elon Musk quer mudar a maneira como vemos o mundo. Ou, pelo menos, a perspetiva com que vemos o planeta. Foi por isso que, esta terça-feira, o multimilionário apresentou mais detalhes sobre os planos que tem para a SpaceX, a empresa da qual é dono e que está a desenvolver um foguetão gigante que possa transportar aventureiros e exploradores até Marte. A cada 26 meses, a SpaceX quer viajar para o planeta mais próximo da Terra, coincidindo com a época em que Marte e a Terra estão alinhados de forma mais favorável.

A ideia de Musk não é propriamente viajar para conhecer outro dos planetas do Sistema Solar mas colonizar Marte. O foguetão desenvolvido pela empresa vai ter lugar para cem passageiros e integra ainda um satélite de Israel a bordo, que vale qualquer coisa como 180 milhões de euros (o equivalente a 200 milhões de dólares).

Penso que as primeiras viagens serão muito, muito perigosas. O risco de morrer será elevado.

Elon Musk

CEO da SpaceX

 

Apesar do investimento e das expectativas, o primeiro foguetão a ser testado explodiu no início de setembro, na rampa de lançamento. As razões da explosão ainda estão a ser investigadas pela startup e Musk continua a avisar que, mesmo depois de começarem a comercializar as viagens a Marte – a primeira tripulação deverá sair em 2024 -, nada garante que os passageiros cheguem sãos e salvos ao destino. Nem que, depois disso, regressem a casa. “Penso que as primeiras viagens serão muito, muito perigosas. O risco de morrer será elevado. Não há outra opção. Trata-se fundamentalmente de dizer: ‘está pronto para morrer?’ Se estiver, é candidato a ir”, disse o multimilionário na apresentação da SpaceX, no Congresso Internacional de Astronáutica, em Guadalajara, México.

Primeiro lançamento do foguetão daSpaceX correu mal: a nave explodiu na rampa do lançamento.
Primeiro lançamento do foguetão da SpaceX correu mal: a nave explodiu na rampa do lançamento.

Viver em Marte

A ideia de Elon Musk de possibilitar uma maneira de viajar – e colonizar Marte – tem tanto de sonhador como de ambicioso. O projeto excêntrico do multimilionário implica uma colonização do planeta que, à medida que vá atraindo mais passageiros e proporcionando mais viagens, possa ir reduzindo o preço da aventura. “Não é possível criar uma comunidade sustentável se o preço do bilhete for de milhares de milhões por pessoa. O nosso objetivo é que o custo seja aproximadamente o de uma casa média nos Estados Unidos”, detalhou o empresário.

A SpaceX foi fundada em 2002 com o objetivo de revolucionar a tecnologia espacial, de maneira a permitir às pessoas poderem viver noutros planetas. Neste momento emprega mais de 4000 empregados. A empresa, que tem um contrato com a NASA no valor de mais de 1,6 mil milhões de dólares, assegura com esta parceria que, na tripulação dos foguetões, estarão também astronautas da empresa agência norte-americana.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Musk vai cobrar menos de 200 mil euros por viagem a Marte

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião