Reskilling: sobreviver à era da inovação

  • Paula Panarra
  • 15 Abril 2020

Internamente existe uma apetência inata pela procura de conhecimento, seja pelas camadas mais jovens, seja pelos quadros mais antigos.

O atual contexto socioeconómico, a nível global, é de aceleração, seja pela conhecida transformação digital, seja pela necessidade de requalificação dos nossos colaboradores. Sobreviver a estas mudanças só está ao alcance das empresas capazes de criar as condições e as ferramentas necessárias para o desenvolvimento pessoal e profissional dos seus quadros, aquilo a que apelidamos de reskilling.

O recente estudo “Automação e o Futuro Do Trabalho Em Portugal”, elaborado pela CIP em parceria com o McKinsey Global Institute e a Nova School of Business and Economics fala-nos do impacto que a automação terá no futuro do trabalho e diz-nos que existe um potencial de 50% de automação de todas as tarefas tal como as conhecemos hoje em dia.

A Microsoft tem apostado continuamente na renovação das competências dos seus colaboradores colocando à sua disposição tudo o que precisam para crescer pessoalmente e profissionalmente. Um pequeno exemplo é a Microsoft Learn, uma plataforma pública que oferece de forma gratuita módulos de informação especializada que podem aceder a qualquer momento em qualquer lugar. Internamente existe uma apetência inata pela procura de conhecimento, seja pelas camadas mais jovens, seja pelos quadros mais antigos. Estamos numa empresa líder em tecnologia e temos de ser pioneiros em temas como a transformação digital ou o reskilling, e isso é visível no interesse dos nossos colaboradores em participar nas atividades propostas.

Criar estas condições irá resultar em trabalhadores mais cientes da importância das suas tarefas e confiantes para enfrentar a crescente digitalização e transformação dos seus postos de trabalho. A construção de uma geração sólida, com talento e que garanta também o retorno do investimento é o objetivo de qualquer organização, daí a importância da aposta em conceitos como o reskilling e upskilling.

*Paula Panarra é diretora-geral da Microsoft Portugal

  • Paula Panarra

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reskilling: sobreviver à era da inovação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião