Tanzânia nos meus ouvidos

Hoje, na viagem de catorze horas de autocarro até Dar es Salaam (que nome delicioso para uma cidade à beira-mar), aproveitei para analisar sem rigor nem vontade, os conteúdos da música em voga.

Mami Pereira na Tanzânia.Mami Pereira

Música leia-se videoclipe. Porque além de se ouvir até à surdez, a música africana vê-se até à insanidade. Tampões para os ouvidos e venda para os olhos são tão importantes para o viajante de agora, como a bússola era para o viajante de outrora. Só quem aqui anda de autocarro é que percebe realmente como o som pode ter volume!

O chinfrim escolhido para nos entreter cai em dois grandes grupos: a música moral e a amoral, e a grande questão é perceber qual é qual.

Por um lado, os ecos do gueto americano, made in Angola, com os três principais objetos de consumo que qualquer gangster precisa: a casa, o carro e a mulher. Óculos de sol e boné são um requisito fundamental para o protagonista. As mulheres em poses cubistas variam em número, conforme o budget.

Por outro lado, as odes a Deus, que nos ensinam coisas tão importantes como perdoar a um marido que nos arreia com o cinto, como ser bom filho não vendendo droga, que se casarmos com uma prima temos filhos aleijados e a variações sobre a derradeira questão: será que os albinos também são gente?

As imagens têm a importância da pintura medieval: mesmo que não se perceba a letra, o videoclip ilustra bem a história.

As montagens são o derradeiro efeito especial e são tão más que são hipnotizantes. Aliás, ao contrário de tudo o resto no Universo, nestes videoclipes, quanto pior, melhor. E o pior é de uma originalidade sem limites.

Lá fora o espetáculo é outro. Monkey Bay, Nkhata Bay e Cape Mclear parecem já um sonho distante. Do Malawi deixei para a próxima viagem, as cidades de Blantyre e Lilongwe e a incrível reserva de Liwonde. Já aprendi há muito tempo, que se deve arranjar boas desculpas para voltar a um sítio. O Malawi (calorosamente chamado The Warm Heart of Africa) será sempre um prazer.

Entretanto a Tanzânia acontece à minha volta. A paisagem é estonteante. Já não via uma natureza tão invencível desde as Honduras. Com a benesse que aqui o homicídio não é desporto nacional. Na Tanzânia as explosões são verdes. As estradas são bem simpáticas e, não fosse esta música infernal, eu não me importava de fazer disto um futuro deja vu.

Até agora, o único sítio que vi foi uma terriola chamada Mbeya. Mbeya não foi onde Judas perdeu as botas mas foi onde Judas calçou as meias. Pela primeira vez nesta viagem tive frio, dormi com dois edredões e bebi chazinho. De Mbeya levo também a viagem de táxi mais curta da minha vida, quando chegámos a meio da noite a nenhures e o hotel mais próximo era do outro lado da rua. O taxista nem resmungou e cobrou a tarifa máxima, com um Hakuna Matata de recibo.

Consta também que em Mbeya há um asteroide gigantesco. Mas prefiro ficar a imaginá-lo, aqui do assento do autocarro. Pode ser que o veja num destes videoclipes.

A estrada onde vamos atravessa o país de uma ponta à outra. E vem com um bónus. Passa pelo meio do Mikumi National Park. Nós chamamos-lhe o Safari dos pobres. Com um simples bilhete de autocarro e alguma destreza visual, vemos elefantes, antílopes e girafas a passar ao nosso lado. Pareço uma criança a dar gritinhos excitados, enquanto aprendo as minhas primeiras palavras em Swahili. Tembo para elefante (como a marca de papel higiénico), Simba para leão (como eles chamam ao Vico), Twiga para girafa, Tumbili para macaco, Matako Mzuri para grande rabo, rabo? Mas onde é que…?

E então olho para o Sahid (que nos estava a ensinar) e para o resto da malta local, absolutamente vidrados na moça roliça do videoclipe, esparramada em cima de um carro. Para eles, o verdadeiro animal exótico!

Respiro fundo, empurro os tampões até ao cérebro e colo o nariz na janela. Já só faltam nove horas.

Leia todas as Crónicas africanas aqui.

Crónicas africanas são impressões, detalhes e apontamentos de viagem da autora e viajante Mami Pereira. Durante quatro meses, o ECO vai publicar as melhores histórias da viagem, que pode ir acompanhando também aqui e aqui.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Tanzânia nos meus ouvidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião