Tempo de vencer o medo

  • Nuno Pereira da Cruz
  • 28 Abril 2020

Queríamos evitar o pico. Achatar a curva. Queríamos ganhar tempo e ganhámos. Sabíamos que com isso teríamos um problema económico.

Ninguém nos prometeu que com o confinamento iríamos vencer o vírus. O confinamento e a declaração de Estado de Emergência serviam, e serviram, para evitar o colapso do SNS. Para evitarmos que os médicos tivessem, como em Itália, que escolher entre quem salvar e quem deixar morrer.

Serviu para ganharmos tempo. Tempo para o governo preparar os hospitais, aperfeiçoar os planos de contingência, comprar mais ventiladores, material de proteção, desinfetantes, testes e dar formação a médicos.

Queríamos evitar o pico. Achatar a curva. Queríamos ganhar tempo e ganhámos. Sabíamos que com isso teríamos um problema económico. Também aqui tentámos ganhar tempo com todas as medidas de apoio às famílias e às empresas. E ganhámos. Mas agora, e para a crise económica que nos bate à porta, já não dá para comprar mais tempo.

É preciso voltarmos, na medida do possível e de forma gradual, ao bussiness as usual. Ter todos os cuidados, usar máscara, manter o distanciamento social, mas voltarmos à vida e a viver.

Não podemos deixar que o medo do coronavírus nos tolha os movimentos, nos bloqueie e nos deixe numa redoma para sempre. Não podemos esquecer que a fome e a solidão também matam.

As linhas de crédito não vão salvar empregos se as empresas não voltarem a funcionar em breve, o que se recebe em lay-off não é suficiente para os trabalhadores fazerem face às suas despesas durante muito mais tempo, as moratórias não se poderão prolongar infinitamente, os empréstimos são só mais dívida e aumentar a dívida pública de Portugal para níveis de 140% do PIB é hipotecar o futuro. Sobre este tema, sobre as limitações de Portugal, a importância de reduzir a dívida pública e não de “a ir gerindo”, aconselho a leitura do artigo do Professor Joaquim Miranda Sarmento publicado ontem no Eco, bem como sobre a necessidade de uma resposta europeia à altura.

Assim, tal como em relação ao vírus, neste combate à crise económica quanto mais cedo conseguirmos voltar a ligar os motores da economia, conseguirmos ganhar confiança para voltarmos a investir e a fazer negócios, mais hipótese temos de evitar uma crise profunda, com enormes taxas de desemprego e endividamento asfixiante.

Por isso é importante o sinal político de não renovar o Estado de Emergência, pois este provoca medo e ansiedade. Haverá a habitual “divergência na doutrina” sobre algumas medidas que se manterão, mas estou certo de que serão encontradas as respetivas soluções jurídicas.

Mas acima de tudo, e mais do que nunca, cada um de nós tem de ser responsável e consciente ao voltar a ter mais liberdade neste contexto de pandemia.

Temos de aprender a conviver com este coronavírus. Esta é a melhor forma de o derrotar.

Está na hora de abrir a economia, de sair e vencer o medo.

  • Nuno Pereira da Cruz
  • Managing partner da CRS Advogados

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tempo de vencer o medo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião