Tributação das criptomoedas – e Portugal?

  • Fábio Seguro Joaquim
  • 24 Abril 2020

Até ao momento, Portugal não enquadrou fiscalmente os rendimentos derivados destas moedas virtuais, no entanto, no estrangeiro é já possível analisar diversos tratamentos.

A utilização de criptomoedas tem vindo a aumentar, sendo um enorme sucesso junto de investidores que a procuram não só como meio de pagamento, mas, principalmente, como forma de obtenção de retorno financeiro e como meio de proteção de ativos.

Até ao momento, Portugal não enquadrou fiscalmente os rendimentos derivados destas moedas virtuais, no entanto, no estrangeiro é já possível analisar diversos tratamentos.

As criptomoedas são moedas digitais descentralizadas, ou seja, não são emitidas nem reguladas por nenhuma autoridade monetária. A sua qualificação jurídica não é clara, dependendo, inclusivamente do tipo de criptomoeda: a) valor monetário; b) valor mobiliário; c) crowdfunding. Esta qualificação é decisiva para a determinação do tratamento fiscal a adotar.

Temos, nesta matéria, de destacar a existência de duas informações vinculativas emitidas pela AT: A primeira (Informação vinculativa n.º 5717/2015) que resultou de um pedido de enquadramento fiscal por um requerente que obtém rendimentos com a compra e venda de criptomoeda. Analisou o enquadramento em três categorias de rendimentos diferentes: acréscimos patrimoniais (categoria G), rendimentos de capitais (categoria E) e, ainda, rendimentos empresariais ou profissionais (categoria B). Assim, atendendo às especificidades da criptomoeda, o contribuinte só pode ser tributado na categoria B e apenas quando a compra e venda de criptomoedas constituir a sua atividade profissional e com esta obtenha rendimento.

Mais tarde, outro contribuinte requereu à AT informação vinculativa referente ao IVA nas operações de câmbio de divisas tradicionais por unidades bitcoin e vice-versa (Informação vinculativa n.º 14763). Como resposta a AT remete para o Acórdão de 22 de outubro de 2015, sobre o caso Hedqvist, processo C 264/14 do Tribunal de Justiça da União Europeia. Desta forma, estas operações encontram-se isentas, enquanto operação relativa a meio de pagamento (art. 9º/1/27/d) do CIVA), devendo essa informação constar sempre da fatura.

É provável que, à semelhança do que aconteceu no estrangeiro (nomeadamente França, Bélgica, Alemanha e Espanha) esta questão venha a ser definitivamente regulada em Portugal, mas por enquanto esta situação fiscal favorável parece ser de aproveitar para muitos investidores.

*Fábio Seguro Joaquim é advogado da Caiado Guerreiro.

  • Fábio Seguro Joaquim
  • Advogado da Caiado Guerreiro

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tributação das criptomoedas – e Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião