Trump, Clinton e os mercados

O sucesso, provável, de Hillary Clinton será acolhido favoravelmente por uma maioria de investidores e uma oportunidade para alocar as nossas carteiras.

Uma hipotética vitória de Trump poderia por em causa muitos dos fundamentos económico da primeira economia mundial: quebrando o consenso de uma economia aberta e amiga das empresas, o discurso de Trump caminha pelas vias do isolacionismo, da repressão da imigração, da híper inflação… e provavelmente do declínio económico…

Felizmente, os recentes máximos renovados dos índices de ações americanas, a subida do dólar e as antecipações de aumentos de taxas de juros traduzem a forte probabilidade de uma vitória de Hillary Clinton a 8 de Novembro! Mas para alem deste “final feliz” antecipado pelos mercados, existe uma alteração profunda do sentimento eleitoral americano em relação às temáticas económicas.

A vitória de Trump nas primárias republicana e a forte resistência de Bernie Sanders face a Clinton, são sinais fortes das exigências do povo americano sobre as politicas económicas que pretende ver implementadas na próxima legislatura.

  • Mais pragmaticamente, analisar as temáticas económicas dos candidatos, e em particular de Hillary Clinton, permite-nos elaborar cenários sobre os setores que sairão vencedores ou penalizados por estas mudanças de “paradigma”.
  • Aumento do poder de compra. Esta temática foi um tema forte da campanha e traduz-se na promessa de Clinton de duplicar o salário mínimo nacional de 7.25$ para 15$, e de redução da fiscalidade das classes médias. O impacto destas medidas deverá ser sensível para os setores de bens de consumo corrente (agroalimentar, higiene e beleza, …) e bens duradouros (automóvel, eletrónica, …), como também para a distribuição.
  • Saúde para todos. Este é um dos temas emblemáticos de Clinton. Traduziu-se na implementação, durante o mandato de Obama, de um acesso universal a um seguro de saúde, e mais recentemente por ataques fortes de Clinton aos abusos da industria farmacêutica. Aqui o impacto poderá ser negativo, nomeadamente para os setores das biotecnologias, ao pressionar os preços dos tratamentos inovadores.
  • Plano nacional de infraestruturas. Face a degradação profunda das infraestruturas publicas, Clinton prevê um plano de investimento de 27.5 mil milhões de dólares anuais para melhorar pontes, autoestradas, redes de distribuição de energia e de agua, aeroportos… Empresas de obras públicas e de infraestruturas deverão sair beneficiadas deste plano.
  • Perdão fiscal. Centenas de milhares de milhões de dólares de proveitos de empresas americanas estão parqueados fora dos Estados Unidos, essencialmente por empresas tecnológicas. A Apple sozinha contabilizava em junho um stock de 214.8 mil milhões de proveitos fora do território americano… Espera-se que seja dado um incentivo ao repatriamento para os Estados-Unidos destes valores colossais, que deverão pagar uma pequena fração dos 35% de taxa de impostos habitualmente devida nestes casos. Esta medida trará consequências positivas para o setor, permitindo aumentar a retribuição dos acionistas e/ou os investimentos.

O sucesso, provável, de Hillary Clinton será acolhido favoravelmente por uma maioria de investidores e uma oportunidade para alocar as nossas carteiras em consequência. Mais importante ainda seria uma clarificação em simultâneo das maiorias do Senado e/ou da Câmara dos Representantes, ambas dominadas pelo partido republicano, e que condicionarão a capacidade da futura presidente democrata implementar o seu programa.
A maior economia mundial não pode continuar a funcionar em gerigonça!

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump, Clinton e os mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião