Com a Força G da Mercedes atrás do Canhão da Nazaré

Meia centena, com muitos G, desde o GLA, passando pelos GLC, GLC Coupé, GLE e GLE Coupé e uns exemplares do mítico G, atacaram as pistas de areia da Nazaré rumo ao Canhão de McNamara.

Não sou fã de sujar o carro. Ou melhor, não sou fã de ter de o lavar. Como eu, há muitos. Quando cai aquela chuvinha depois do verão então… é impossível escapar à viagem até à lavagem automática mais próxima. E, pior, ter de ficar à espera até poder voltar à estrada, procurando fugir de toda e qualquer poça que obrigue a repetir tudo novamente.

De vez em quando, contudo, é bom sujar a pintura. Quando em vez de estar ao volante de um citadino, ou mesmo de um familiar, as mãos estão a agarrar o volante de um SUV, a perspetiva muda. O que mais vezes me passa pela cabeça é: “porque haveria de ter um carro destes nas mãos e não ver o que é capaz de fazer fora de estrada?”. Nem sempre é possível fugir do alcatrão, mas desta vez, deu.

É verdade que não basta ser um SUV, convém ser um 4×4 para pisar terra sem pensar se se consegue voltar a casa. Um GLC, por exemplo, é mais do que suficiente para um fim de semana de aventura. E tudo fica ainda mais divertido quando não somos os únicos a querer fazê-lo. Quando além de nós há mais meia centena de donos de Mercedes que se juntam para enfrentar outros obstáculos que não os buracos do alcatrão.

Meia centena, com muitos G, desde o mais pequeno dos SUV da Mercedes, o GLA, passando pelos GLC, GLC Coupé, GLE e GLE Coupé e uns exemplares do mítico G (com alguns ML à mistura), todos prontinhos para mais uma edição, a 8.ª, do Mercedes-Benz 4MATIC Experience, organizado pelo Escape Livre. Muita força G por terras de Garrett McNamara. Todos cheios de vontade de cruzar estradões de terra batida, caminhos de cascalho e até cheios de pedras. Até à areia, rumo ao Canhão da Nazaré.

Onde é que está a poça? Splash

Depósitos atestados, pneus menos insuflados, e carros todos mascarados… a fazer lembrar um rally. Não é uma corrida. É um passeio, até mais um convívio entre donos de SUV da marca alemã, mas não deixa de ter a sua piada ver tantos Mercedes aperaltados para enfrentar percurso atrás de percurso. Há estrada no caminho, mas é fora dela que todos se divertem.

Uma estrada de terra batida é irresistível para quem gosta de sentir as rodas perderem aderência — o ESP vai sempre desligado. Mesmo não se andando a velocidades elevadas, fora do asfalto a sensação acaba sempre por ser mais vertiginosa. Então quando se passa para caminhos mais apertados, por entre eucaliptos, pinheiros e outras árvores, é ainda mais excitante. Só é preciso cuidado para não riscar. Sujar? Vamos! As poças não se evitam, “mergulha-se” nelas. De repente, parecemos os miúdos que não resistem a um bom splash.

Sujar um SUV é divertido. Riscar, não. E furar, muito menos. Mas pior mesmo é ficar parado. Ou melhor, atascado nas pistas de areia. Quem nunca andou por elas, não sabe o que perde. “Perdidos” no meio de um qualquer vale por terras da Nazaré, lá está a “estrada” cheia daquela areia fina da praia. “Não parem. Não parem”, é o que nos diz Luís Celínio, presidente do Clube Escape Livre.

Pé no acelerador, nem muito a fundo, nem muito ao de leve. É a receita perfeita para passar pelo mar de areia. Por muito funda que por vezes pareça, o GLC 300d lá foi mostrando os seus dotes, ganhando ritmo a cada curva sob a areia. Um pouco de rotação a mais na roda e, de repente, temos uma tempestade ao estilo dos Emirados Árabes Unidos… mas na Nazaré. E, logo de seguida, voltamos a ganhar tração, saindo do caminho da comitiva que lá vem.

Não há Canhão. Onde é que é o Canhão?

Superado desafio das areias movediças — nada eram, claro, mas é a sensação que se tem –, a caravana de Mercedes chega ao mar. E que mar. Portugal tem uma costa gigante. E em muitos sítios a ondulação é forte. Mas na Nazaré parece que tudo é maior. Mesmo num dia calmo, as ondas fazem aquele tubo perfeito. E quando rebentam, ouvem-se muito bem. Imagine-se num dia de tempestade… Ou, melhor, veja-se as imagens da maior onda surfada em todo o mundo.

Do farol que correu o mundo com a onda de 23,77 metros de McNamara, olhamos para baixo e mesmo quando nos dizem que a espuma do Canhão chega até lá acima, parece difícil de acreditar. Mas é mesmo verdade. É um fenómeno que só acontece de vez em quando. Não apareceu neste passeio, mas não foi por isso que não houve emoções fortes.

Enquanto alguns não resistiram ir ver dentro de água, em lanchas rápidas ou super rápidas (com direito a piões e um pouco da sensação de submarino), o sítio onde se forma a onda gigante, outros preferiram terra firme. Em vez do GLC, vê-se o mar em cima das rodas cardadas de buggy, ao mesmo tempo que se faz o gosto ao pé direito, ganhando velocidade em trilhos de terra batida junto à praia.

Fica o “bichinho”. E o SUV “sujinho”

Depois dos desportos náuticos, ou do off-road de buggy, é hora de voltar às quatro rodas da marca da estrela. Todos de sorriso nos lábios, mais de uma centena de participantes do Mercedes-Benz 4MATIC Experience entraram na quase meia centena de G’s para rumar ao merecido descanso. Andar fora de estrada cansa. É como fazer desporto, mas sentado ao volante de um SUV. É uma experiência, no mínimo, viciante. Fica aquele “bichinho”, mesmo estando o SUV todo “sujinho”.

Ninguém escapou às “pinturas tribais” provocadas pelo pó e a lama. Mas, também, ninguém se importa. Vendo bem, até acabam por assentar bem na carroçaria dos vários modelos da Mercedes que enfrentarem o desafio. Os donos, muitos deles repetentes da prova, aprovam. De tal forma que querem voltar no ano seguinte. Por isso, não é de estranhar que na despedida estejam todos de ouvidos bem atentos para perceber qual será o próximo destino dos 4MATIC.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com a Força G da Mercedes atrás do Canhão da Nazaré

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião