Das uvas ao turismo, um clube de viticultores está a mudar a casta Alvarinhopremium

São 150 viticultores que se juntaram, num clube, à Quinta do Soalheiro, dinamizando a economia local e o território, com um piscar de olhos à exportação para todo o mundo.

O namoro entre o viticultor José Carvalho, 65 anos, e a marca de vinhos Soalheiro começou nos anos 1980, em Melgaço. “Ainda me lembro da Maria João Cerdeira mais pequena a pesar as uvas na balança. Os pais dela já tinham a marca e só a produção deles, na garagem, não chegava. Começaram, então, a comprar uvas a produtores como eu”, recorda o viticultor, atualmente reformado da Função Pública. Agora, José Carvalho e o irmão Armando Carvalho, 67 anos, fazem parte da lista de 150 membros do Clube Alvarinho que foi criado, há três, pelo Soalheiropara formalizar aquilo que já existia há anos. Na prática, explica Maria João Cerdeira, uma das proprietárias do Soalheiro juntamente com o irmão António Luís e a mãe Maria Palmira Cerdeira, o clube tem o papel de unir e apoiar os viticultores,

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos