CaixaBank: “A nossa oferta é a melhor para o BPI”

  • Lusa
  • 21 Setembro 2016

O presidente do banco espanhol disse que o BPI é uma situação “pontual” de tentativa de controlo de um banco, segundo ele muito bem gerido.

O presidente executivo do CaixaBank defendeu hoje, em Madrid, que o setor bancário não está em época de internacionalização, com aquisições transfronteiriças, sendo a tentativa de compra da maioria do BPI uma exceção a esse quadro geral. E essa OPA é a “melhor para o BPI”.

Numa palestra realizada no estabelecimento de ensino superior ESADE, Gonzalo Gortázar disse que o setor bancário não está em época de realizar “grandes aventuras” no estrangeiro, mas que pode haver exceções a essa tendência geral, tendo dado como exemplo o caso do BPI.

Para o presidente executivo do CaixaBank, o BPI é uma situação “pontual” de tentativa de controlo de um banco, segundo ele muito bem gerido, no qual o banco espanhol já tem um investimento há mais de 20 anos.

“Pensamos que a nossa oferta é a melhor para o banco [BPI]”, afirmou Gortázar antes de se saber que os acionistas do BPI tinham aprovado hoje em assembleia-geral, no Porto, o fim da limitação dos direito de voto, uma das condições para o CaixaBank avançar com a Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada em abril.

O presidente executivo do banco com sede em Barcelona explicou que a “complexidade” de legislações de diferentes países explica, em parte, a falta de vontade das entidades bancárias para realizarem operações de fusão ou aquisição transfronteiriças.

O CaixaBank, o maior acionista do BPI com 45,5% do capital social, mas com apenas 20% os direitos de voto até aqui, lançou uma OPA em abril sobre o banco português que fez depender da eliminação da limitação dos direitos de voto (‘desblindagem’) na instituição.

Comentários ({{ total }})

CaixaBank: “A nossa oferta é a melhor para o BPI”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião