Companhias aéreas apoiam plano ambiental que pode custar-lhes 21 mil milhões por ano

Proposta da ONU prevê que a indústria da aviação financie iniciativas ambientais para compensar as emissões de gases poluentes.

A indústria da aviação decidiu apoiar uma proposta da Organização das Nações Unidas (ONU), que tem por objetivo limitar os gases poluentes emitidos pelos aviões em voos internacionais, adianta, esta segunda-feira, a Bloomberg. O plano pode implicar um custo anual de 21,3 mil milhões de euros (24 mil milhões de dólares) para as companhias aéreas.

A proposta, anunciada pela primeira vez em fevereiro pela Organização da Aviação Civil (a agência para a aviação da ONU), está agora a ser apoiada por gigantes da indústria, como a United Continental Holdings e a Boeing. A partir de terça-feira e, ao longo de 11 dias, a proposta vai ser discutida em Montreal e, a ser alcançado um acordo, será o primeiro deste género a ser dirigido a uma única indústria.

A ideia não é que as companhias aéreas reduzam a emissão de gases poluentes, mas que compensem esta emissão através do financiamento de iniciativas ambientais, como o desenvolvimento de energias renováveis ou preservação de florestas, por exemplo. O acordo entraria em vigor em 2020 e prolongar-se-ia até 2035 — ainda que, durante os primeiros seis anos, a participação seja apenas voluntária. Contas feitas, as previsões apontam para que este plano venha a custar, por ano, 23,9 mil milhões de dólares à indústria da aviação, o equivalente a 1,8% das receitas anuais previstas para os próximos 15 anos.

Apesar dos custos, esta é uma solução que, por ser universal, agrada às companhias, que preferem uma alternativa deste género a terem de se sujeitar a regulamentação leis regionais, nacionais e internacionais. “Reconhecemos que, como indústria, temos impacto nas alterações climáticas. A indústria está disposta a pagar a sua parte. Só queremos pagar a nossa parte da forma mais económica possível”, resume Michael Gill, diretor executivo da Air Transport Action Group, que representa companhias aéreas, fabricantes, aeroportos e pilotos, em declarações à Bloomberg.

Aliás, se o acordo falhar, as companhias aéreas arriscam regulação que pode sair ainda mais cara, se cada país decidir avançar com planos regionais.

Os ambientalistas, por seu lado, também estão a fazer pressão para que o acordo seja assinado, defendendo que este será um primeiro passo importante, que poderá ser melhorado a longo prazo. Ainda assim, criticam a vertente voluntária do acordo e os custos para as companhias aéreas, que consideram demasiado baixos. Seja como for, acreditam, o acordo é crucial para evitar desastres ambientais como cheias ou secas.

Entre as cerca de 60 nações que apoiam o plano, encontram-se os Estados Unidos, a China, os Emirados Árabes Unidos, a Coreia do Sul e a maioria dos países europeus. Contudo, o sucesso do acordo estará no número de países que decidirem cumpri-lo já na fase voluntária, e é essa a parte que, para já, gera maior apreensão. É que muitos dos países que estão a emergir no setor da aviação, como o Brasil e a Índia, já fizeram saber que só pretendem cumprir o plano quando este passar a ser obrigatório, em 2027, por considerarem que cumpri-lo antes vai impor um “fardo económico” injusto para países em desenvolvimento.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Companhias aéreas apoiam plano ambiental que pode custar-lhes 21 mil milhões por ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião