Tribunal Europeu decidiu: deslocações para o emprego contam como horas de trabalho

  • Marta Santos Silva
  • 26 Setembro 2016

A decisão do Tribunal Europeu de Justiça aplica-se a trabalhadores sem escritório fixo que se desloquem diretamente de casa para serviços em diferentes locais.

O Tribunal Europeu de Justiça decidiu este mês que as deslocações entre casa e local de trabalho podem contar como horas de serviço. A decisão refere-se aos casos em que o local de trabalho não é fixo, como pode ser o caso para eletricistas ou técnicos de limpezas, e promete afetar trabalhadores por toda a Europa.

Tudo começou com um processo contra a empresa Tyco, dedicada à instalação de sistemas de segurança. Quando a Tyco decidiu, em 2011, encerrar os seus escritórios regionais em Espanha e ficar apenas com uma sede em Madrid, o dia-a-dia dos trabalhadores da empresa mudou: em vez de se dirigirem primeiro ao escritório para picar o ponto antes de começarem os serviços, era esperado que se deslocassem diretamente ao local onde iriam trabalhar, que poderia variar todos os dias.

Embora por vezes as deslocações entre a residência do trabalhador e o local do serviço pudessem demorar várias horas, a Tyco só contava como horas remuneradas aquelas que fossem passadas no local onde se realizava o serviço. As viagens de casa até ao primeiro cliente do dia e para casa a partir do último cliente do dia eram consideradas tempo de descanso.

O Tribunal Europeu de Justiça decidiu agora a favor dos trabalhadores da Tyco que se queixavam das longas horas passadas em deslocações sem qualquer remuneração. Numa deliberação de 16 de setembro, baseada na diretiva de 2008 sobre a organização do tempo de trabalho, o tribunal concluiu que, porque foi a Tyco que decidiu abolir os seus escritórios, devia ser a empresa a suportar os custos adicionais sem prejudicar os trabalhadores.

“O facto de os trabalhadores começarem e terminarem as suas viagens em casa vem diretamente da decisão do empregador de abolir o escritório regional, e não dos desejos dos próprios trabalhadores”, lê-se na decisão. “Pedir-lhes que suportem o fardo da escolha do empregador seria contrário ao objetivo de proteção da segurança e saúde dos trabalhadores”.

A decisão explicita: “O Tribunal considera que os trabalhadores estão a trabalhar durante as viagens”, e acrescenta que esta consideração é essencial para garantir que os trabalhadores que não têm um local fixo onde exerçam a sua atividade tenham direito às horas de descanso previstas por lei.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal Europeu decidiu: deslocações para o emprego contam como horas de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião