Confiança dos americanos na economia regista melhor valor desde 2007

Desde o verão quente (e negativo) de 2007 que os americanos não estavam tão confiantes na evolução da economia. Clinton pode beneficiar deste recorde uma vez que Trump ataca o estado da economia.

O otimismo na economia norte-americana em setembro registou os mesmos valores do período pré-crise de 2007. O valor situou-se nos 104,1 este mês, em comparação com os 101,8 registados em agosto. Os valores foram divulgados esta terça-feira pelo Conference Board, uma entidade privada que mede o indicador.

A pouco mais de um mês das eleições presidenciais, os números do mercado laboral têm ajudado a prever um futuro positivo para a economia norte-americana, apesar da Reserva Federal não ter aumentado as taxas de juro. A taxa de desemprego é inferior a 5% pelo que a maior parte dos americanos que perderam o emprego em 2008.

"A avaliação que os consumidores fazem das condições atuais [da economia] melhorou, principalmente por causa de uma visão mais positiva do mercado de trabalho”

Lynn Franco, diretora do departamento de indicadores económicos

“Olhando para o futuro, os consumidores estão mais confiantes nas perspetivas de emprego a curto prazo, mas neutros em relações às condições de negócios e de aumentos de salários”, explicou a diretora do departamento de indicadores económicos da Conference Board, Lynn Franco.

Foi no verão de 2007 que o indicador começou a descer, continuando a queda em pique com o bancarrota do Lehman Brothers em 2008 a ajudar. No início de 2009 foi atingido o valor mais baixo – perto dos 20 pontos – e, a partir daí, a trajetória de recuperação demorou sete anos até chegar aos níveis pré-crise.

Dados do Conference Board.
Dados do Conference Board.

 

Este número pode ser particularmente positivo para Hillary Clinton, que pode usá-lo como argumento contra o ataque de Donald Trump às políticas de Barack Obama sobre a economia.

Também em níveis recorde desde agosto de 2007 está o indicador da situação económica atual. O valor aumentou até aos 128,5 pontos em setembro, superior aos 125,3 registados no mês passado.

No entanto, as expectativas futuras não são tão boas. O valor desse indicador estão inferiores às registadas antes da recessão, pelo que os americanos ainda estão reticentes quanto à evolução da economia nos próximos seis meses.

Editado por Mónica Silvares

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Confiança dos americanos na economia regista melhor valor desde 2007

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião