EUA. Subida do PIB revista em alta no segundo trimestre

As perspetivas da economia norte-americana estão melhores. Os números divulgados esta quinta-feira mostram um crescimento maior.

A economia norte-americana cresceu mais do que o esperado. No segundo trimestre a subida do PIB foi de 1,4% em comparação com os 1,1% estimados em agosto. Os dados foram divulgados esta quinta-feira pelo Census Bureau, o gabinete de estatísticas dos Estados Unidos. No primeiro trimestre a economia cresceu 0,8% pelo que esta revisão duplica o crescimento.

O crescimento foi fraco na primeira metade do ano, mas temos evidência efetiva que nos mostra uma expansão mais forte da economia agora

Janet Yellen, presidente da Reserva Federal dos EUA

Declarações esta quarta-feira, dia 28 de setembro

A revisão em alta deveu-se ao crescimento das exportações – maior do que as importações – e do investimento. Estes números dão sinais de esperança a quem está a aguardar um aumento da taxa de juro pela Reserva Federal (Fed).

O desempenho de 1,4% superou as expectativas dos analistas norte-americanos que esperavam 1,3%, frisou Reuters.

A maior fatia do investimento foi para pesquisa e desenvolvimento. Em contrapartida houve um corte no investimento em edifícios e equipamento maior do que o previsto pelo Executivo de Barack Obama.

No total o investimento privado cresceu 1%, sugerindo que o investimento do setor de energia está a recuperar após a queda do preço dos combustíveis. Esse foi um dos argumentos – a queda do investimento – de Janet Yellen para não acreditar na recuperação tão vigorosa da economia norte-americana.

Além disso, o consumo interno aumentou 4,3% e este é um dado fulcral porque representa dois terços da atividade económica dos Estados Unidos. No entanto, as empresas estão a diminuir os seus inventários, contribuindo para a desconfiança na economia.

Contudo, a Fed – repetiu a presidente da instituição esta quarta-feira – deve aumentar a taxa de juro após as eleições norte-americanas (8 de novembro). Ou seja, em dezembro, para prevenir uma subida em flecha da inflação por causa dos números positivos do mercado de trabalho.

Editado por Mónica Silvares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA. Subida do PIB revista em alta no segundo trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião