Hillary Clinton descansa bolsas europeias, petróleo em alta

Reação dos investidores ao primeiro confronto entre Clinton e Trump está a ser positiva. Deutsche Bank recupera parte das perdas de ontem. E petróleo valoriza com reunião da OPEP à vista.

Com metade cotadas a arrancar a sessão com sinal verde, o PSI-20, o principal índice português, abriu a ganhar uns tímidos 0,26%% até aos 4.579,97 pontos, provando os primeiros ganhos em três sessões. Também as principais praças na Europa seguiam com ganhos ligeiros.

No olho do furacão está o Deutsche Bank, cuja débil situação está a afetar muitos bancos no Velho Continente. O banco alemão tem multas multimilionárias para pagar em tribunal e, face à necessidade de aumentar capital, alguns investidores temem um resgate financeiro de Berlim. As ações da instituição tombaram na última sessão mais de 7% e seguiam neste arranque a valorizar pouco mais de 1%.

“O Deutsche Bank continuará a ser atentamente monitorizado. Ontem, a cotação corrigiu 7,46%, após a revista Focus ter anunciado que o Governo Alemão não irá prestar qualquer tipo de ajuda ao banco na sua disputa com o Departamento de Justiça norte-americano”, referiram os analistas do BPI no Diário de Bolsa online.

Leia também as 5 coisas que vão marcar o dia nos mercados

Por cá, nota para as ações da EDP Renováveis, que subiam 0,32% até 7,15 euros, depois de ter comunicado esta segunda-feira que assegurou cerca de 300 milhões de euros em financiamento para dois parques eólicos nos EUA em troca de participações nestes projetos.

Na Europa, as bolsas despertaram com sentimento positivo, beneficiando de algum movimento de correção altista face às quedas de ontem e, sobretudo, da reação positiva dos investidores ao desempenho de Hillary Clinton no primeiro debate com Donald Trump na corrida à Casa Branca. Frankfurt, Paris, Milão e Madrid seguiam com ganhos entre 0,5% e 1%.

Para os analistas do BPI, “os investidores globais reagiram positivamente ao resultado do debate entre os dois candidatos à Casa Branca. De acordo com a maioria dos analistas e as sondagens elaboradas imediatamente após o debate, Hillary Clinton foi a vencedora deste primeiro embate”. “Mais do que um partido, Wall Street tem mostrado, ao longo da sua história, uma preferência pelo status quo. Por outras palavras, os mercados acionistas preferem a continuidade à incerteza, que constituiu a pior ameaça às decisões dos investidores. Posteriormente a esta reação ao debate presidencial os investidores do Velho Continente irão focar-se na situação do setor bancário”, sustentam os mesmo analistas.

"Os investidores globais reagiram positivamente ao resultado do debate entre os dois candidatos à Casa Branca. De acordo com a maioria dos analistas e as sondagens elaboradas imediatamente após o debate, Hillary Clinton foi a vencedora deste primeiro embate.”

Analistas do BPI

Diário de Bolsa

No petróleo, o barril de ‘brent’, referência para as importações portuguesas, desvalorizava 0,74% até 47 dólares, ao mesmo tempo que o crude perdia 0,46% até 45,72 dólares por barril, depois de fortes valorizações do ‘ouro negro’ nos últimos dias e com a reunião informal da OPEP a manter-se no centro de todas as atenções.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hillary Clinton descansa bolsas europeias, petróleo em alta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião