Spotify retoma conversações com SoundCloud para potencial compra

  • Juliana Nogueira Santos
  • 29 Setembro 2016

Serviço de streaming reafirma interesse na concorrente já a pensar na sua oferta pública inicial marcada para a segunda metade de 2017.

A plataforma de streaming de música Spotify está em conversações com a SoundCloud para uma potencial compra, avançou o Financial Times esta semana citando fontes próximas do processo. Essas revelaram também que o valor negociado ainda é desconhecido, sublinhando a instabilidade das negociações. Nenhuma das partes prestou qualquer declaração até agora.

A SoundCloud é outra das plataformas de streaming presentes no mercado, mas que se tornou mais direcionada para a indústria alternativa e emergente, sendo o sítio preferido dos criadores para disponibilizarem singles e LP’s. Conta com um catálogo extenso de música que vai desde o hip-hop às misturas originais de DJ’s.

As duas empresas já tinham estado em conversações “razoavelmente detalhadas” na primavera passada mas que acabaram por não se efetivar devido ao preço alto que estava a ser pedido pela SoundCloud. No entanto, os 100 milhões de dólares que a Twitter investiu na plataforma, e que fez elevar o seu valor de mercado, voltaram a fazer brilhar os olhos da Spotify.

Este negócio surge numa altura em que a Spotify tem sido apertada pelo lançamento de muitos concorrentes, como é o caso do Tidal, do Apple Music e do Amazon Music Prime, plataformas que têm vindo a mudar os parâmetros da mensalidade, da exclusividade de conteúdos e da disponibilidade em dispositivos. A potencial compra da SoundClound indica que a Spotify está a apostar na diversificação de conteúdos e plataformas – já cumprida pela melhoria do serviço pago, da disponibilização de vídeos e podcasts e, da mais recente introdução do karaoke -, preparando a caminhada para a sua entrada na bolsa de valores, marcada para a segunda metade de 2017.

 

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Spotify retoma conversações com SoundCloud para potencial compra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião